Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Cinema

- Publicada em 23h18min, 27/01/2020.

Cinemateca Capitólio traz à Capital diretor de documentário sobre Adoniran Barbosa

'Adoniran - meu nome é João Rubinato' tem sessão comentada com Pedro Serrano em Porto Alegre

'Adoniran - meu nome é João Rubinato' tem sessão comentada com Pedro Serrano em Porto Alegre


PANDORA FILMES/DIVULGAÇÃO/JC
Artista que cantou a cidade de São Paulo de forma única em sambas e radionovelas, Adoniran Barbosa surge em um retrato multifacetado no documentário Adoniran - Meu nome é João Rubinato. Em cartaz na Capital, o longa traz imagens de arquivos raras e nunca antes vistas do compositor e cantor paulistano, que faleceu em 1982.
Artista que cantou a cidade de São Paulo de forma única em sambas e radionovelas, Adoniran Barbosa surge em um retrato multifacetado no documentário Adoniran - Meu nome é João Rubinato. Em cartaz na Capital, o longa traz imagens de arquivos raras e nunca antes vistas do compositor e cantor paulistano, que faleceu em 1982.
Nesta terça-feira (28), às 19h30min, a Cinemateca Capitólio Petrobras (Demétrio Ribeiro, 1.085) fará uma sessão comentada do filme, com a presença do diretor Pedro Serrano. O ingresso custa R$ 16,00, com opções de meia-entrada.
O longa acompanha a vida e a obra de Adoniran Barbosa (1910-1982), o maior nome do samba paulista, autor de sucessos como Trem das onze e Saudosa maloca. Por meio do acervo pessoal do artista, imagens de arquivo raras e depoimentos de amigos e familiares, o público poderá descobrir um personagem multifacetado, que retratou a sua São Paulo em canções e personagens de rádio.
Tendo a cidade como coadjuvante, o documentário traça um paralelo entre a metrópole de hoje e aquela vivida por Adoniran. Em uma jornada por seu universo criativo, cheio de controvérsias alimentadas por ele mesmo, revela-se, por trás da figura pitoresca e de fala engraçada, um artista profundamente sensível às mazelas do povo.
As músicas de Adoniran estão no imaginário e na memória de todos os brasileiros são crônicas perfeitas da realidade do povo e muitas delas retratam a transformação da São Paulo provinciana em uma megalópole ao longo do século XX. Escutando suas letras, o diretor Pedro Serrano sempre achou que eram muito visuais e decidiu fazer o curta-metragem Dá licença de contar (que abrirá as sessões do documentário em alguns cinemas, incluindo a Cinemateca Capitólio), uma viagem onírica pelo universo criativo do sambista.
O curta fez muito sucesso e acabou sendo o ponto de partida para desenvolver o filme em formato de longa. "Nesse meio do caminho, senti a necessidade de me aprofundar no personagem Adoniran Barbosa, de conhecê-lo melhor. Afinal, mais de três décadas passadas de sua morte, ninguém jamais havia feito um filme sobre o maior nome do samba paulista", comenta o diretor.
A produção contou com a ajuda de todos os familiares e amigos vivos do cantor para poder ser realizado e com uma extensa pesquisa de imagens de arquivo. Mesmo com a dificuldade de acesso aos arquivos da Cinemateca Brasileira, a equipe de produção conseguiu imagens raras de filmes em que Adoniran atuou nos anos 1930, 1940 e 1950. Além disso, a equipe contou com o acervo pessoal do artista, que continha roteiros de rádio dos programas que ele fazia na década de 1950, fotos, objetos pessoais e um material muito pitoresco da música Figlio Unico, a versão de enorme sucesso do Trem das onze na Itália.
Por fim, com auxílio do Conjunto João Rubinato, foi possível colocar no filme gravações raras feitas por ele no começo de carreira e o trabalho deles Adoniran em partitura, que traz músicas inéditas encontradas pelo conjunto.
"Sou fã, sim, de Adoniran, mas, acima de tudo, sou um cineasta paulistano e sinto que essa era uma história que eu poderia contar com propriedade. Falar de Adoniran é falar de São Paulo e, de alguma maneira, de algo que me pertence; suas histórias que narram o desenvolvimento de uma cidade voraz onde tudo vai abaixo para dar lugar a um prédio fazem parte da história de todos nós que habitamos essa metrópole", diz o diretor Pedro Serrano.
A obra vai além da figura do grande músico Adoniran Barbosa, é um filme sobre a pessoa Adoniran, o homem por trás do músico e poeta, e não fala apenas sobre seu papel no cenário musical. Intencionalmente, o diretor faz, aqui, um retrato humano e verdadeiro, que envolve todas as contradições inerentes a uma pessoa. Por mais que o espectador possa querer ver um filme sobre a conhecida figura divertida de Adoniran Barbosa, encontrará também nesse filme a história de João Rubinato, um poeta sensível e batalhador, para quem nem tudo era apenas brincadeira.
Comentários CORRIGIR TEXTO