Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

cinema

- Publicada em 23h27min, 21/01/2020.

Favorito ao Oscar de melhor filme, longa épico '1917' estreia nesta quinta-feira

Longa épico 1917, de Sam Mendes, recebeu 10 indicações ao Oscar 2020

Longa épico 1917, de Sam Mendes, recebeu 10 indicações ao Oscar 2020


ROGER DEAKINS/DIVULGAÇÃO/JC
Frederico Engel
A guerra e suas histórias. Hollywood adora contar narrativas épicas dos conflitos mundiais e esta foi a vez do diretor Sam Mendes, de 007 - Operação Skyfall, que apresenta uma história mais limitada e de menor escopo, mas igualmente excelente com o filme 1917. Com estreia nos cinemas nesta quinta-feira (23), a história segue dois jovens soldados britânicos, os cabos Will Schofield (George MacKay) e Tom Blake (Dean-Charles Chapman), em uma corrida contra o tempo, durante um dos momentos cruciais da Primeira Guerra Mundial. Eles devem sair da trincheira e atravessar a "terra de ninguém" até a linha alemã e entregar uma mensagem para um pelotão aliado cancelar um ataque - caso contrário, 1,6 mil soldados morrem, incluindo o irmão mais velho de Blake.
A guerra e suas histórias. Hollywood adora contar narrativas épicas dos conflitos mundiais e esta foi a vez do diretor Sam Mendes, de 007 - Operação Skyfall, que apresenta uma história mais limitada e de menor escopo, mas igualmente excelente com o filme 1917. Com estreia nos cinemas nesta quinta-feira (23), a história segue dois jovens soldados britânicos, os cabos Will Schofield (George MacKay) e Tom Blake (Dean-Charles Chapman), em uma corrida contra o tempo, durante um dos momentos cruciais da Primeira Guerra Mundial. Eles devem sair da trincheira e atravessar a "terra de ninguém" até a linha alemã e entregar uma mensagem para um pelotão aliado cancelar um ataque - caso contrário, 1,6 mil soldados morrem, incluindo o irmão mais velho de Blake.
A forma como a trama é contada é a partir do uso de um plano-sequência, dando a impressão que foi tudo filmado sem cortes. Falando dos protagonistas, as atuações de George MacKay e Dean-Charles Chapman são ótimas, sabendo usar do roteiro de Mendes e Krysty Wilson-Cairns para potencializar seus personagens e estabelecer de forma concisa e ágil a relação de ambos.
Schofield é inseguro, encontrando em seu amigo Blake o senso de companheirismo e determinação que é preciso para concluir a missão. O principal destaque fica para MacKay, que, em um ano tão disputado, com Adam Driver, Antonio Banderas, Joaquin Phoenix, Jonathan Pryce e Leonardo DiCaprio, era difícil receber reconhecimento, mas, em edições mais fracas do Oscar, poderia haver um espaço para nomeação. O elenco de apoio conta com quatro nomes conhecidos, tendo participações pontuais e boas.
O longa recentemente foi indicado em 10 categorias no Oscar 2020, incluindo roteiro, direção e filme. Olhando para as categorias técnicas (relativas a som e efeitos visuais), 1917 é primoroso, fazendo jus a todas indicações que conseguiu. A captação sonora faz com que o espectador seja imerso na guerra, se sentindo exposto como os personagens.
Um dos aspectos técnicos que também merece destaque é a direção de arte. A inserção para o período da Primeira Guerra é muito bem executada: a cor predominante é a de terra, com aspecto sujo, não apresenta nenhuma esperança e tem a morte, em suas diferentes formas, espalhada por todo cenário. Uma das únicas limitações - em especial, deste primeiro trecho - é a pouca variedade de locais, o que é compreensível pela proposta do filme em acompanhar a missão em tempo real. Isso muda a partir da segunda parte do filme, que vai até para o ambiente noturno.
E é aqui que a fotografia de Roger Deakins, que deve levar a sua segunda estatueta dourada, mais fica em evidência, com enquadramentos em locais destruídos e iluminação com o uso da luz natural do fogo. Realizar o trabalho como este, considerando a proposta do filme, melhora a fotografia e a ambientação. Esse trecho à noite, inclusive, é dos mais interessantes, sendo o momento de mais ação do longa. Um dos poucos trechos que fica confuso é a passagem de tempo para noite, quando há a quebra do plano-sequência. A trilha de Thomas Newman é ótima, criando antecipação e tensão. E existe um trecho em específico, ao final da produção, em que a música oferece um ar épico e emocional, também auxiliado pela direção e fotografia.
O grande comandante disso acaba sendo Sam Mendes, vencedor do Oscar em sua estreia no cinema com Beleza Americana (1999). Qualquer filme em plano-sequência merece um destaque, ainda mais quando bem executado. É o caso de 1917. O diretor também utiliza, por vezes, movimentos de câmera que afastam do plano principal, sendo pontuais e bem selecionados e realizados.
Existem três trechos em específico que aliam os aspectos mais fortes do filme, que são a direção, a fotografia e a trilha sonora, divididos em início, meio e final: o primeiro deles é durante a passagem de Schofield e Blake pela "terra de ninguém", o segundo durante o período noturno e o terceiro na trincheira, próximo ao ataque. Considerando esses aspectos, 1917 é um dos ótimos filmes da leva atual, sendo forte concorrente para conquistar o Oscar, ainda mais depois de ter sido o grande vencedor do prêmio do Sindicato dos Produtores de Hollywood no sábado passado (18). Eleito na categoria Melhor Produção de Filme, o longa desponta como favorito.
Comentários CORRIGIR TEXTO