Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 17 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

cinema

Edição impressa de 17/01/2020. Alterada em 17/01 às 03h00min

Cinemateca Paulo Amorim celebra centenário de Fellini com sessão comentada

Fatimarlei Lunardelli debate 'Amarcord' no domingo na Sala Paulo Amorim da Casa de Cultura Mario Quintana

Fatimarlei Lunardelli debate 'Amarcord' no domingo na Sala Paulo Amorim da Casa de Cultura Mario Quintana


/CINEMATECA PAULO AMORIM/DIVULGAÇÃO/JC
A Cinemateca Paulo Amorim (Andradas, 736), comemora o centenário do cineasta italiano Federico Fellini com uma Sessão Cineclube Especial de Amarcord (1973), no domingo, às 19h. A exibição será seguida de debate com a crítica Fatimarlei Lunardelli. Os ingressos custam R$ 5,00.
A Cinemateca Paulo Amorim (Andradas, 736), comemora o centenário do cineasta italiano Federico Fellini com uma Sessão Cineclube Especial de Amarcord (1973), no domingo, às 19h. A exibição será seguida de debate com a crítica Fatimarlei Lunardelli. Os ingressos custam R$ 5,00.
A atividade têm apoio ainda da Federação Internacional de Cineclubes - FICC, por meio do cineasta e cineclubista Luiz Alberto Cassol. A entidade organizará várias atividades durante todo o ano, em diferentes países, para celebrar o centenário de nascimento de Fellini.
Um dos grandes mestres da história do cinema, Federico Fellini nasceu em Rimini, em 20 de janeiro de 1920. Sua filmografia, que combina episódios históricos, lembranças pessoais e fantasia, reúne títulos memoráveis como A doce vida (1960) e Noites de Cabíria (1957).
A comédia Amarcord é mais um filme que se destaca nesta relação, oferecendo o olhar do garoto Tito (Bruno Zanin) sobre as suas relações familiares e a sociedade italiana da década de 1930, quando o fascismo era a ordem dominante.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia