Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

GENTE

13/01/2020 - 19h28min. Alterada em 13/01 às 19h28min

Morre filósofo britânico Roger Scruton, aos 75 anos

Intelectual, que esteve em Porto Alegre em julho de 2019, tinha descoberto um câncer há seis meses

Intelectual, que esteve em Porto Alegre em julho de 2019, tinha descoberto um câncer há seis meses


ELEKES ANDOR/DIVULGAÇÃO/JC
Segundo comunicado da família no site oficial do escritor, morreu no domingo (12), aos 75 anos, o filósofo britânico Roger Scruton. Ele esteve em Porto Alegre em julho de 2019 como palestrante do ciclo de conferências Fronteiras do Pensamento. O pensador havia descoberto um câncer há seis meses.
Segundo comunicado da família no site oficial do escritor, morreu no domingo (12), aos 75 anos, o filósofo britânico Roger Scruton. Ele esteve em Porto Alegre em julho de 2019 como palestrante do ciclo de conferências Fronteiras do Pensamento. O pensador havia descoberto um câncer há seis meses.
Ex-conselheiro do governo conservador britânico, era um dos mais importantes filósofos da atualidade. Membro da Royal Society of Literature e condecorado com a medalha da Ordem do Império Britânico, foi por mais de 20 anos professor na Universidade de Londres e atualmente lecionava na Universidade de Buckingham. Também era membro da British Academy, do Centro de Ética e Política Pública em Washington e da Sociedade Real de Literatura, além de ter integrado Future Symphony Institute, dedicado a popularizar a música clássica.
Ao longo de uma carreira que se estendeu por décadas, o inglês escreveu mais de 50 livros sobre política, cultura, estética, filosofia, entre outros temas - muitos deles que se tornaram best-sellers. Entre suas obras mais conhecidas no Brasil estão Como ser um conservador, Tolos, fraudes e militantes e Pensadores da nova esquerda. Deixa ainda as publicações Estética da arquitetura, A alma do mundo, O rosto de Deus e As vantagens do pessimismo. Além de suas contribuições acadêmicas, produziu para a BBC o documentário Por que a beleza importa? (2009).
Intelectual que analisava as grandes correntes do pensamento conservador ocidental contemporâneo, era um grande polemista. Seu livro mais recente é Conservadorismo - Um convite à grande tradição, lançado no Brasil quando o professor veio para as conferências na Capital e em São Paulo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia