Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Televisão

Edição impressa de 23/12/2019. Alterada em 23/12 às 03h00min

GNT exibe premiado documentário 'Torre das Donzelas'

Filme apresenta a história de mulheres que foram presas e torturadas durante a ditadura militar

Filme apresenta a história de mulheres que foram presas e torturadas durante a ditadura militar


ELO COMPANY/DIVULGAÇÃO/JC
Nesta segunda-feira (23), às 23h30min, o canal GNT exibe pela primeira vez o premiado documentário Torre das Donzelas, de Susanna Lira. O filme revisita histórias emocionantes e cheias de bravura de mulheres que foram à luta por liberdade e justiça, e acabaram prisioneiras e torturadas na ditadura militar, no Brasil.
Nesta segunda-feira (23), às 23h30min, o canal GNT exibe pela primeira vez o premiado documentário Torre das Donzelas, de Susanna Lira. O filme revisita histórias emocionantes e cheias de bravura de mulheres que foram à luta por liberdade e justiça, e acabaram prisioneiras e torturadas na ditadura militar, no Brasil.
Com relatos inéditos da ex-presidente Dilma Rousseff e suas companheiras de cela, a obra - lançada nos cinemas em setembro deste ano, após ter sido exibida em diversos festivais - revive o dia a dia dessas mulheres ao levá-las para uma réplica exata da "Torre das Donzelas". Demolida em 1972, assim era chamada a ala feminina do Presídio Tiradentes, em São Paulo.
Nesse espaço, elas se reencontram e relembram os laços de empatia e amizade construídos diante de situações densas e delicadas durante o período em que ficaram reclusas naquele ambiente, entre o fim da década de 1960 e o início dos anos 1970.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia