Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 24 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Patrimônio

22/11/2019 - 18h53min. Alterada em 24/11 às 17h31min

Leandro Selister recebe prêmio de Design por projeto da Fenadoce de Pelotas

Criação dos cenários ofereceu ambiente lúdico e despertou sentido de pertencimento na comunidade

Criação dos cenários ofereceu ambiente lúdico e despertou sentido de pertencimento na comunidade


LEANDRO SELISTER/DIVULGAÇÃO/JC
O artista visual gaúcho Leandro Selister recebeu a medalha de Bronze do 9º Brasil Design Award nesta quinta-feira (21), pelo projeto desenvolvido para a 27ª Fenadoce de Pelotas, neste ano. Ele foi destaque na Categoria Design de Ambientes - Design de Exposições e Instalações. Organizada pela Associação Brasileira de Empresas de Design – ABEDESIGN, a cerimônia de premiação mais abrangente do design nacional ocorreu no Museu da Casa Brasileira em São Paulo.
O artista visual gaúcho Leandro Selister recebeu a medalha de Bronze do 9º Brasil Design Award nesta quinta-feira (21), pelo projeto desenvolvido para a 27ª Fenadoce de Pelotas, neste ano. Ele foi destaque na Categoria Design de Ambientes - Design de Exposições e Instalações. Organizada pela Associação Brasileira de Empresas de Design – ABEDESIGN, a cerimônia de premiação mais abrangente do design nacional ocorreu no Museu da Casa Brasileira em São Paulo.
O projeto visual e cênico para a Fenadoce foi criado a partir do tema Patrimônio Nosso, abordando o tombamento e o registro da tradição doceira da cidade da região Sul do Estado pelo IPHAN como Patrimônio Cultural Brasileiro material e imaterial. Cinco cenários foram desenvolvidos para o Espaço Arte do Doce, com representações iconográficas do Patrimônio Pelotense Material: o Mercado Central, a Biblioteca Pública, o Chafariz das Nereidas e o Theatro Sete de Abril. Já o Patrimônio Imaterial foi representado na cozinha do Museu do Doce.
Através de encenações, performances e coreografias, o grupo de 17 atores apresentou uma releitura da cultura e tradição de Pelotas nascida no século XVIII com a implantação das primeiras charqueadas, que possibilitaram a chegada ao Sul do País de uma riqueza nacional: o açúcar, mostrando a peculiar interligação entre os opostos (sal e açúcar, rural e urbano, material e imaterial) interagindo com os cenários criados. A criação dos cenários ofereceu um ambiente lúdico e despertou o sentido de pertencimento necessário para a compreensão da importância e significado que esse patrimônio representa cultural e economicamente para a sociedade pelotense.
O troféu tem o objetivo de reconhecer e destacar a capacidade criativa e inovadora do design na economia e no cenário nacional. Selister explica a importância do reconhecimento: “De todos os prêmios que já recebi na vida, esse tem um valor especial, pois contempla uma cidade inteira e valoriza um projeto desafiador desenvolvido pelo CDL de Pelotas há 27 anos. Ele é especial porque envolveu algo que não temos como mensurar ou quantificar: o Amor”, vibra o artista.
Mais detalhes sobre o projeto podem ser conferidos no vídeo do canal do artista no YouTube: Leandro Selister - Arte em Adesivos.

O artista que transforma o patrimônio histórico em séries pop

Selister recebeu prêmio Brasil Design Award, distinção da Associação Brasileira de Empresas de Design

Selister recebeu prêmio Brasil Design Award, distinção da Associação Brasileira de Empresas de Design


LEANDRO SELISTER/DIVULGAÇÃO/JC
Leandro Selister é artista visual com bacharelado pelo Instituto de Artes da Ufrgs. Já realizou diversas exposições individuais, participou de mostras coletivas e recebeu diversas premiações em salões e editais de arte, fotografia e design.
Publicou três livros: Cotidiano, Intervenções na Trensurb em Porto Alegre (2002), Tique-taque, tremor das pequenas coisas (2004/2014 e Há tempo atento ao tempo (2010, financiado pelo Fumproarte/Porto Alegre. Desde 2013, dedica-se também à pesquisa com fotografia com o uso de smartphones, o que vem lhe rendendo premiações e menções nacionais e internacionais.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia