Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de novembro de 2019.
Dia do Bandeirante.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Literatura

Edição impressa de 14/11/2019. Alterada em 14/11 às 03h00min

Escritora e jornalista Priscila Pasko lança seu primeiro livro de contos

Em 'Como se mata uma ilha', Priscila traz 37 narrativas com mulheres como protagonistas

Em 'Como se mata uma ilha', Priscila traz 37 narrativas com mulheres como protagonistas


/ARQUIVO PESSOAL/DIVULGAÇÃO/JC
A Livraria Baleia (Fernando Machado, 85) recebe neste sábado, às 18h, o lançamento de Como se mata uma ilha (Zouk, 80 págs., R$ 30,00), primeiro livro de contos da escritora e jornalista Priscila Pasko. A obra traz 37 narrativas curtas, que apresentam as mulheres como protagonistas: são tias, avós, irmãs, vizinhas que se relacionam, observam a si mesmas e o mundo.
A Livraria Baleia (Fernando Machado, 85) recebe neste sábado, às 18h, o lançamento de Como se mata uma ilha (Zouk, 80 págs., R$ 30,00), primeiro livro de contos da escritora e jornalista Priscila Pasko. A obra traz 37 narrativas curtas, que apresentam as mulheres como protagonistas: são tias, avós, irmãs, vizinhas que se relacionam, observam a si mesmas e o mundo.
Os contos de Como se mata uma ilha trazem temas como as zonas sombrias e ensolaradas da maternidade, além das pressões do cotidiano e os aspectos líricos e filosóficos da experiência de ser mulher. Priscila Pasko é jornalista freelancer e, entre 2015 e 2018, manteve no site Nonada o blog Veredas, espaço no qual divulgava e discutia a literatura produzida por mulheres.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia