Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Teatro

Edição impressa de 07/11/2019. Alterada em 07/11 às 03h00min

Claudia Raia e Jarbas Homem de Mello vivem vários personagens em 'Conserto para dois'

Peça estará em cartaz nesta quinta e sexta-feira; no domingo, apresentação será em Lajeado

Peça estará em cartaz nesta quinta e sexta-feira; no domingo, apresentação será em Lajeado


FLAVIA CANAVARRO/DIVULGAÇÃO/JC
Frederico Engel
O que se pode fazer quando um grande amor se torna uma grande obsessão? Quando se vive nos holofotes e tudo acaba se tornando público? Conserto para dois apresenta Claudia Raia e Jarbas Homem de Mello em uma comédia musical em que interpretam múltiplos personagens. As apresentações em Porto Alegre acontecem nesta quinta-feira (7/11) e na sexta (8/11), às 21h, no Teatro do Sesi (Assis Brasil, 8.787), com ingressos entre R$ 75,00 e R$ 200,00, indo para Lajeado no domingo (10/11), às 20h, no Teatro Centro Cultural Univates (Avelino Talini, 171), com entradas entre R$ 75,00 e R$ 150,00.
O que se pode fazer quando um grande amor se torna uma grande obsessão? Quando se vive nos holofotes e tudo acaba se tornando público? Conserto para dois apresenta Claudia Raia e Jarbas Homem de Mello em uma comédia musical em que interpretam múltiplos personagens. As apresentações em Porto Alegre acontecem nesta quinta-feira (7/11) e na sexta (8/11), às 21h, no Teatro do Sesi (Assis Brasil, 8.787), com ingressos entre R$ 75,00 e R$ 200,00, indo para Lajeado no domingo (10/11), às 20h, no Teatro Centro Cultural Univates (Avelino Talini, 171), com entradas entre R$ 75,00 e R$ 150,00.
O espetáculo é desenvolvido ao longo do cruzeiro de luxo Sinfonia dos Mares, em que Angelo Rinaldi (Homem de Mello), um escritor de best-seller famoso, e a estrela de cinema Luna de Palma (Claudia) formam um casal que oferece drama, casos inusitados e comédia de reviravoltas. O destino da viagem é um tanto curioso, sendo a Antártida uma dinâmica que dialoga com o lado cômico do espetáculo.
Reportagens culturais são importantes para você?
"Acredito também que, justamente por termos essa ideia de que a Antártida é o mais longe que podemos chegar de alguém, há um efeito cômico e dramático também de Angelo e Luna, que estão fugindo um do outro, acabem se encontrando nesse lugar tão remoto", brinca Homem de Mello. A atriz adiciona a fala ao destacar o texto de Anna Toledo, ao qual descreve como atual e com diversas referências ao cotidiano, o que ele define como uma forma de criar conexão com o público.
Pelo lado de Angelo, existe um problema de bloqueio criativo, ainda acrescentando que ele busca esquecer do término do casamento com aquela que era sua musa inspiradora. A situação não melhora quando ele dá de cara com Lena de Paula (também interpretada por Claudia Raia), que faz performances no navio em homenagem à grande estrela, Luna. "Acho que quando ele tem a ideia de embarcar no cruzeiro para 'curar' o bloqueio criativo é uma forma de tem se afastar de tudo que estava sendo um empecilho para escrever. Quando a gente sente que está com uma dificuldade criativa, acho que ter uma outra perspectiva é importante. Todo mundo passa por um momento em que precisa de uma reciclagem para voltar melhor, renovar as ideias", comenta o ator.
E toda essa trama ainda está relacionada com Luna de Palma. A estrela segue o conselho de sua mãe, Dona Socorro (interpretada por Homem de Mello), e parte no cruzeiro como forma de fugir do marido. Ao lado de seu secretário particular, Nestor (Claudia), ela embarca no Sinfonia dos Mares. Mesmo que os personagens fujam dos conflitos, eles acabam encontrando seus traumas no navio. Claudia acredita que podem existir diferentes visões a partir dessa narrativa. "O que seria a arte se não nos levasse a uma reflexão? A arte é importante porque nos leva a questionar, a apreender nossa realidade a partir daquela manifestação artística."
Com esses diferentes papéis vividos pelos dois atores, Homem de Mello explica que foram necessários um mês e uma semana de ensaio para que aprendessem texto, música, coreografia. "É tudo cronometrado. Uma troca de roupa pode durar apenas 10 segundos. O figurino e a caracterização também são pensados para facilitar essa dinâmica", explica. A escolha por ter os dois atores no palco partiu desde a concepção do projeto: Claudia e Homem de Mello buscavam fazer um trabalho juntos, com uma história em que interpretassem vários personagens. "A Anna Toledo foi convidada por nós para escrever, trocamos ideias, explicamos o que queríamos. E ela nos apresentou essa história, que é muito divertida, engraçada, com personagens ótimos, cheios de nuances", observa ele.
Com isso, o espetáculo nasceu como uma comédia musical. "Quando discutimos o tipo de texto que queríamos encenar, Jarbas e eu pensamos em uma comédia musical, que nos permitiria contar essa história de uma forma ainda mais plural", argumenta Claudia. O ator acrescenta que, ao apontar que as músicas, assim como o texto, são originais para o espetáculo. "Tínhamos músicas ótimas para usarmos, mas percebemos que elas não cabiam naquele contexto, não nos ajudariam a contar a história. Em um musical, as canções não podem ser gratuitas, apenas um número. Ela precisa ter uma função narrativa, ela também é responsável por contar a história", lembra Homem de Mello.
No fim, o objetivo dos artistas é de que Conserto para dois ofereça questionamentos para o público. "Vivemos em um período de questionamento dos relacionamentos, seja no ambiente real ou no virtual", afirma o ator. "Falar do humano, das relações é sempre importante. Espero que as pessoas se divirtam conosco tanto quanto a gente se diverte em cima do palco com todos os nossos personagens. E torcemos para que as questões que trazemos também ecoem nelas", complementa Claudia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia