Porto Alegre, sexta-feira, 24 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 24 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

cinema

- Publicada em 03h27min, 01/11/2019. Atualizada em 03h46min, 01/11/2019.

Otto Guerra faz uso do humor ácido para abordar temas atuais

Reflexão sobre arte, cultura pop e política, 'A Cidade dos Piratas' é baseado na obra de Laerte Coutinho

Reflexão sobre arte, cultura pop e política, 'A Cidade dos Piratas' é baseado na obra de Laerte Coutinho


OTTO GUERRA/DIVULGAÇÃO/JC
A cidade dos piratas faz uma mistura underground e caótica entre ficção e realidade sobre as vidas particulares de Laerte Coutinho e Otto Guerra. O filme é construído por meio de uma série de referências dos quadrinhos de Laerte, e do cinema do próprio diretor, além de buscar através da história do Brasil - inclusive fatos associados à história recente - fazer uma reflexão sobre arte, cultura pop e política.
A cidade dos piratas faz uma mistura underground e caótica entre ficção e realidade sobre as vidas particulares de Laerte Coutinho e Otto Guerra. O filme é construído por meio de uma série de referências dos quadrinhos de Laerte, e do cinema do próprio diretor, além de buscar através da história do Brasil - inclusive fatos associados à história recente - fazer uma reflexão sobre arte, cultura pop e política.
A animação é desenvolvida a partir de personagens dos famosos quadrinhos Piratas do Tietê, que passam a ser rejeitados por sua criadora, Laerte, quando ela se afirma transgênero, assumindo sua identidade feminina. Já o diretor encara a morte após ser diagnosticado com câncer. Cria-se, então, um abismo caótico entre ficção e realidade, com humor ácido e críticas atuais.
O longa conta com as vozes de Marco Ricca e Matheus Natchtergaele.
Comentários CORRIGIR TEXTO