Porto Alegre, sexta-feira, 24 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 24 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

cinema

- Publicada em 03h41min, 01/11/2019. Atualizada em 03h00min, 01/11/2019.

Simpatias de Maria do Caritó para abandonar a solteirice

Lilia Cabral faz a personagem-título do longa nacional 'Maria do Caritó', de João Paulo Jabur

Lilia Cabral faz a personagem-título do longa nacional 'Maria do Caritó', de João Paulo Jabur


IMAGEM FILMES/DIVULGAÇÃO/JC
No longa Maria do Caritó, dirigido por João Paulo Jabur, a atriz Lilia Cabral faz a personagem-título, uma solteirona em busca do amor verdadeiro. Muito popular no Nordeste do País, a expressão "ficar no caritó" é utilizada para se referir a alguém que nunca casou e está encalhado. 
No longa Maria do Caritó, dirigido por João Paulo Jabur, a atriz Lilia Cabral faz a personagem-título, uma solteirona em busca do amor verdadeiro. Muito popular no Nordeste do País, a expressão "ficar no caritó" é utilizada para se referir a alguém que nunca casou e está encalhado. 
Prometida pelo pai para ser entregue virgem a São Djalminha, um santo de quem ninguém nunca ouviu falar, ela apela para um milagre, cansada da vida solitária que leva. Quando uma trupe de circo chega à cidade, Maria descobre que o mundo pode ser muito mais colorido e divertido do que imaginava.
O filme é baseado em uma peça homônima, "escrita especialmente para o retorno da atriz Lilia Cabral ao teatro", como conta o escritor Newton Moreno. A comédia dramática ficou cinco anos em cartaz antes de ganhar as telas dos cinemas e foi um verdadeiro sucesso de público.
Indicada a seis categorias no Prêmio Shell 2010, a peça Maria do Caritó contou ainda com a vitória de Lilia na categoria de Melhor Atriz no Prêmio Contigo 2011. O elenco do filme conta ainda com Kelzy Ecard (Segundo sol), Leopoldo Pacheco (O sétimo guardião), Gustavo Vaz (O doutrinador), Sylvio Zilber (Ponte aérea) e Juliana Carneiro Da Cunha (Assédio).
Comentários CORRIGIR TEXTO