Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 25 de outubro de 2019.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

artes cênicas

Edição impressa de 25/10/2019. Alterada em 25/10 às 03h00min

Transforma Cia de Dança propõe reflexão sobre o consumo

Espetáculo 'Reutilizáveis corpos descartáveis' estreia neste fim de semana no Teatro Renascença

Espetáculo 'Reutilizáveis corpos descartáveis' estreia neste fim de semana no Teatro Renascença


TRANSFORMA CIA DE DANÇA/DIVULGAÇÃO/JC
A Transforma Cia de Dança estreia o espetáculo Reutilizáveis corpos descartáveis neste fim de semana, com sessões sexta-feira, sábado e domingo, às 20h, no Teatro Renascença (Erico Verissimo, 307). Os ingressos custam de R$ 20,00 a R$ 40,00 e podem ser adquiridos na plataforma Sympla ou no local.
A Transforma Cia de Dança estreia o espetáculo Reutilizáveis corpos descartáveis neste fim de semana, com sessões sexta-feira, sábado e domingo, às 20h, no Teatro Renascença (Erico Verissimo, 307). Os ingressos custam de R$ 20,00 a R$ 40,00 e podem ser adquiridos na plataforma Sympla ou no local.
Pela primeira vez, a diretora e coreógrafa da companhia, Suzana dÁvila, abre espaço para o aluno e professor Maurício Miranda mostrar sua respectiva trajetória de 20 anos dedicada à dança na direção artística e coreográfica. Explorando a linguagem do jazz e da dança contemporânea, a nova atração discute o impacto dos acúmulos descartáveis presentes no consumo diário estendido nas relações humanas.
De acordo com o diretor, a partir do entendimento de que as pessoas são também reutilizáveis, pode-se construir outra significação às relações com os próprios corpos, com outras pessoas e com o meio ambiente. O figurino do espetáculo foi desenvolvido por várias mãos e se utilizando muitas vezes do plástico, um dos materiais de grande degradação ao meio ambiente, cujo ritmo de reciclagem não acompanha o do consumo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia