Porto Alegre, sábado, 25 de julho de 2020.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 25 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Patrimônio

- Publicada em 15h08min, 03/10/2019. Atualizada em 17h49min, 09/10/2019.

Caixa pretende retomar obras de centro cultural de Porto Alegre em 2020

Banco diz que prepara licitação que definirá nova empresa para tocar trabalhos no prédio da Rua da Praia

Banco diz que prepara licitação que definirá nova empresa para tocar trabalhos no prédio da Rua da Praia


LUIZA PRADO/JC
Bruna Oliveira
Já são quase dez anos desde que se estimou uma possível data de entrega do Centro Cultural da Caixa, idealizado para ocupar prédio histórico encravado no coração do Centro Histórico de Porto Alegre. De lá para cá, muitos entraves impediram as obras no edifício que abrigou o Cine Imperial, na Praça da Alfândega. Agora, a Caixa espera retomar os trabalhos no local no primeiro semestre de 2020.
Já são quase dez anos desde que se estimou uma possível data de entrega do Centro Cultural da Caixa, idealizado para ocupar prédio histórico encravado no coração do Centro Histórico de Porto Alegre. De lá para cá, muitos entraves impediram as obras no edifício que abrigou o Cine Imperial, na Praça da Alfândega. Agora, a Caixa espera retomar os trabalhos no local no primeiro semestre de 2020.
Notícias sobre economia são importantes para você?
O acordo entre a prefeitura da Capital e o banco para a instalação do complexo cultural é ainda mais antigo, de 2008. O último contrato, firmado em 2015 entre a Caixa e a Portonovo Empreendimentos, foi rescindido em setembro de 2017, por descumprimento de cláusulas contratuais. 
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/01/206x137/1_lp_300919___centro_cultural_caixa__14_-8858756.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5d9375b922c4a', 'cd_midia':8858756, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/01/lp_300919___centro_cultural_caixa__14_-8858756.jpg', 'ds_midia': 'Foto do Centro Cultural da Caixa, na praça da Alfândega. ', 'ds_midia_credi': 'LUIZA PRADO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Foto do Centro Cultural da Caixa, na praça da Alfândega. ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Edifício no calçadão da rua da Praia, na Praça da Alfândega, foi um dos primeiros arranha-céus da Capital. Foto Luiza Prado/JC
Um dos empecilhos para o andamento da obra foi a descoberta de uma rocha abaixo da construção, o que demandaria cuidados especiais para evitar o desabamento do prédio e danos em estruturas vizinhas. Questionada pela reportagem do Jornal do Comércio, a Caixa não esclareceu sobre a situação atual envolvendo a pedra.
No local, apesar dos tapumes coloridos que cercam a entrada do prédio, indicando que algum trabalho está sendo executado, o cenário é de abandono. Comerciantes de lojas próximas contam que "há muito tempo" não se vê movimentação por ali. Pelas frestas do tapume, é possível ver estacas sustentando parte da fachada e muito lixo acumulado.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/03/206x137/1_71708371_385244048838107_6268242547873677312_n-8861488.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5d96046093617', 'cd_midia':8861488, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/03/71708371_385244048838107_6268242547873677312_n-8861488.jpg', 'ds_midia': 'Foto do Centro Cultural da Caixa, na praça da Alfândega. ', 'ds_midia_credi': 'Bruna Oliveira/Especial/JC', 'ds_midia_titlo': 'Foto do Centro Cultural da Caixa, na praça da Alfândega. ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '450', 'align': 'Left'}
Frestas entre os tapumes revelam que o cenário é de abandono no local da obra. Fotos Bruna Oliveira/Especial/JC
Em nota, o banco informou que está finalizando a revisão dos projetos para licitação que definirá uma nova empresa responsável pela execução dos trabalhos. A Caixa não respondeu sobre atualização de valores e sobre a necessidade de novos recursos para a retomada do empreendimento.
O Edifício Imperial foi construído entre 1931 e 1933, no calçadão da Rua da Praia, e foi um dos primeiros arranha-céus de Porto Alegre. Com ares da arquitetura art déco, a edificação foi desenhada por Egon Weindorfer e Agnello Nilo de Lucca. Em 2014, o prédio (que é de propriedade do município) foi tombado como patrimônio histórico da Capital. 
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/01/206x137/1_lp_300919___centro_cultural_caixa__7_-8858751.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5d9375b922c4a', 'cd_midia':8858751, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/01/lp_300919___centro_cultural_caixa__7_-8858751.jpg', 'ds_midia': 'Foto do Centro Cultural da Caixa, na praça da Alfândega. ', 'ds_midia_credi': 'LUIZA PRADO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Foto do Centro Cultural da Caixa, na praça da Alfândega. ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Construção no estilo art déco é patrimônio histórico de Porto Alegre. Foto Luiza Prado/JC
O projeto da revitalização, orçado em R$ 38 milhões na época, prevê cinco pavimentos para o Centro Cultural, incluindo teatro no térreo, museu, salas de exposições, cafeteria, livraria, espaço multiuso, salas de ensaio e miniauditório. Para a prefeitura, seriam destinados oito andares, onde se instalaria a Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, hoje abrigada na Casa Torelly, na avenida Independência.
Procurada pela reportagem a respeito de novidades envolvendo a obra, a pasta municipal respondeu, por meio da assessoria de imprensa, que aguarda novas definições por parte do banco para saber do futuro do Centro Cultural.  
Comentários CORRIGIR TEXTO