Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 04 de outubro de 2019.
Dia do Barman e dia Mundial dos Animais.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Cinema

Edição impressa de 04/10/2019. Alterada em 04/10 às 03h00min

Terror 'O clube dos canibais' estreia na Capital

Ana Luiza Rios e Tavinho Teixeira protagonizam o filme, inspirado em história real

Ana Luiza Rios e Tavinho Teixeira protagonizam o filme, inspirado em história real


OLHAR DISTRIBUIÇÃO/DIVULGAÇÃO/JC
Após ter passado por mais de 30 festivais internacionais ao longo de 2018, a produção nacional O clube dos canibais estreia na Capital. Dirigido por Guto Parente, o longa de terror é inspirado em uma história real ocorrida em Porto Alegre.
Após ter passado por mais de 30 festivais internacionais ao longo de 2018, a produção nacional O clube dos canibais estreia na Capital. Dirigido por Guto Parente, o longa de terror é inspirado em uma história real ocorrida em Porto Alegre.
Uma das poucas preocupações na luxuosa vida do casal Otávio (Tavinho Teixeira) e Gilda (Ana Luiza Rios) é qual a forma correta de temperar um churrasco a partir da carne dos empregados. Tal rotina muda quando ela descobre um segredo de Borges (Pedro Domingues), líder do Clube dos Canibais e um deputado de poder, fazendo com que suas vidas passem a correr perigo.
Embora tenha sido todo filmado no Ceará, nas cidades de Fortaleza e na praia de Guajiru, a primeira ideia para o longa surgiu por meio de assassinatos que aconteceram em Porto Alegre. O diretor teve familiaridade com a história por meio da leitura do livro O maior crime da terra, do escritor e historiador Décio Freitas, que aborda assassinatos que aconteceram em Porto Alegre entre 1864 e 1865, conhecidos como "Crimes da Rua do Arvoredo", em que um casal atraía suas vítimas para casa, as matava, as esquarteja e produzia linguiças de carne humana, então comercializadas em um açougue.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia