Porto Alegre, sábado, 25 de julho de 2020.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 25 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Literatura

- Publicada em 03h26min, 03/10/2019. Atualizada em 03h00min, 03/10/2019.

Clara Corleone lança seu livro de estreia

Clara Corleone lança primeiro livro hoje no Bar Von Teese

Clara Corleone lança primeiro livro hoje no Bar Von Teese


MARI KORMAN/DIVULGAÇÃO/JC
Figura conhecida na cena cultural porto-alegrense, a atriz e escritora Clara Corleone lança hoje seu livro de estreia, O homem infelizmente tem que acabar - crônicas, deboches e poéticas (Editora Zouk, 248 páginas). A sessão ocorre no Von Teese Bar (Bento Figueiredo, 32), com entrada franca. O livro está em pré-venda no site da editora por R$ 39,60, com opção de retirada no evento de lançamento. No local, o valor é de R$ 44,00.
Figura conhecida na cena cultural porto-alegrense, a atriz e escritora Clara Corleone lança hoje seu livro de estreia, O homem infelizmente tem que acabar - crônicas, deboches e poéticas (Editora Zouk, 248 páginas). A sessão ocorre no Von Teese Bar (Bento Figueiredo, 32), com entrada franca. O livro está em pré-venda no site da editora por R$ 39,60, com opção de retirada no evento de lançamento. No local, o valor é de R$ 44,00.
Clara comanda, desde 2017, um sarau literário com seu nome, e divide seu tempo como produtora no estúdio Otto Desenhos Animados, na ONG Minha Porto Alegre e como hostess do Bar Ocidente. Publicado pelo selo Casa da Mãe Joanna, da editora Joanna Burigo, O homem infelizmente tem que acabar compila escritos de 2014 até este ano, todos intimamente ligados ao Bom Fim, famoso abrigo da contracultura de Porto Alegre.
Com textos bem-humorados e linguagem despretensiosa, Clara Corleone surge com franqueza em sua posição de mulher branca, cis e heterossexual, narrando as aventuras da vida de solteira a partir de uma ótica feminista na qual o emprego satírico de retórica misândrica serve como ferramenta educativa e de redenção. 
Comentários CORRIGIR TEXTO