Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 08 de setembro de 2019.
Dia Mundial da Alfabetização.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

cinema

Alterada em 08/09 às 17h27min

Bárbara Paz conquista prêmio de Melhor Documentário no Festival de Veneza

Premiação ocorreu durante o 76º Festival Internacional do Cinema de Veneza

Premiação ocorreu durante o 76º Festival Internacional do Cinema de Veneza


Alberto PIZZOLI/AFP/JC
Estadão Conteúdo
Depois de conquistar o Prêmio da Crítica Independente durante o 76º Festival Internacional do Cinema de Veneza, Bárbara Paz levou neste sábado (7) o troféu de Melhor Documentário da Mostra Venice Classic por Babenco - Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou. "Eu ganhei, my god!", comemorou a atriz em suas redes sociais.
Depois de conquistar o Prêmio da Crítica Independente durante o 76º Festival Internacional do Cinema de Veneza, Bárbara Paz levou neste sábado (7) o troféu de Melhor Documentário da Mostra Venice Classic por Babenco - Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou. "Eu ganhei, my god!", comemorou a atriz em suas redes sociais.
Além da direção do longa, Bárbara também assina a produção ao lado de Myra Babenco e dos irmãos Caio Gullane e Fabiano Gullane. Durante o festival, a atriz e diretora aproveitou sua presença durante o lançamento do longa Martin Eden, um dos concorrentes ao Leão de Ouro, para protestar pela Amazônia.
Babenco faz uma relação entre a doença e a arte do diretor, nascido em Mar del Planta, na Argentina, e naturalizado brasileiro em 1977. "Quis registrar o homem. O pensador - que era um cineasta, também. Todo o mundo queria falar da obra, e eu queria falar do homem", disse Bárbara.
Morto em 2016, Babenco foi o diretor responsável por títulos como Pixote: A Lei do Mais Fraco (1980), Carandiru (2003) e O Beijo da Mulher Aranha (1985), primeira coprodução brasileira a concorrer ao Oscar fora da categoria de Melhor Filme Estrangeiro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia