Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

ARTES CÊNICAS

Edição impressa de 03/09/2019. Alterada em 03/09 às 03h00min

Com sessões extras, espetáculo de máscaras '2068' tem debate nesta terça-feira

Utilizando máscaras expressivas e manipulação de bonecos, montagem explora privações das liberdades individuais

Utilizando máscaras expressivas e manipulação de bonecos, montagem explora privações das liberdades individuais


EROICA CONTEUDO/DIVULGAÇÃO/JC
O espetáculo 2068 retorna com duas sessões extras para esta terça-feira (3), às 20h, e esta quarta-feira (4), às 10h, no Instituto Ling (João Caetano, 440). A primeira apresentação será seguida de um debate sobre a peça, com participação do elenco e de dois convidados especiais: a psicanalista Lea Thormann e o psicanalista, dramaturgo e diretor de teatro Julio Conte. A entrada é vendida por R$ 40,00.
O espetáculo 2068 retorna com duas sessões extras para esta terça-feira (3), às 20h, e esta quarta-feira (4), às 10h, no Instituto Ling (João Caetano, 440). A primeira apresentação será seguida de um debate sobre a peça, com participação do elenco e de dois convidados especiais: a psicanalista Lea Thormann e o psicanalista, dramaturgo e diretor de teatro Julio Conte. A entrada é vendida por R$ 40,00.
Utilizando máscaras expressivas e manipulação de bonecos, os quatro atores - Alexandre Borin, Camila Vergara, Fábio Cuelli e Mariana Rosa - dão vida a oito diferentes personagens que ficam confinados em um espaço, privados das liberdades individuais. Para que se mantenham vivos, eles devem se alimentar seguidamente de esperança. Como uma forma de alusão a uma temporalidade futura, a peça é permeada pelo questionamento: ainda é possível sonhar?
Apresentado pelo Máscara EnCena, o grupo nasceu em 2014, em Porto Alegre, a partir do encontro de artistas com o mesmo desejo: investigar a potencialidade artística da máscara.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia