Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

artes cênicas

- Publicada em 03h29min, 02/09/2019. Atualizada em 03h00min, 02/09/2019.

Terreira da Tribo promove sessões de cinema

'Viva la muerte!' é um dos filmes exibidos em sessão gratuita

'Viva la muerte!' é um dos filmes exibidos em sessão gratuita


TERREIRA DA TRIBO/DIVULGAÇÃO/JC
A partir de hoje, às 20h, a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz (Santos Dumont, 1.186) retorna com as atividades gratuitas pela noite, promovendo a exibição de Viva la muerte!. As senhas são distribuídas a partir das 19h. O evento faz parte da Terreira da Tribo Eu Apoio!, campanha de apoio coletivo e permanente como forma de manutenção do espaço da Terreira que completa 35 anos, que pode ser acessada por benfeitoria.com/terreiradatribo.
A partir de hoje, às 20h, a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz (Santos Dumont, 1.186) retorna com as atividades gratuitas pela noite, promovendo a exibição de Viva la muerte!. As senhas são distribuídas a partir das 19h. O evento faz parte da Terreira da Tribo Eu Apoio!, campanha de apoio coletivo e permanente como forma de manutenção do espaço da Terreira que completa 35 anos, que pode ser acessada por benfeitoria.com/terreiradatribo.
Viva la muerte! se passa durante a guerra civil espanhola e acompanha Fando, um menino que vê como seu pai é arrastado pelos militares após sua mãe o delatar as autoridades por colaborar com os "vermelhos". Fando constantemente pergunta a mãe sobre a morte e sobre o paradeiro de seu pai, o qual, segundo ela, foi executado.
Já na terça-feira, também às 20h, o filme A árvore de Guernica aborda a Guerra Civil Espanhola. O povo da Villa Ramiro está farto do sistema injusto, se rebelando contra o nobre reclamando seus direitos, aproveitando os ares renovadores da República.
Os dois longas foram dirigidos pelo espanhol Fernando Arrabal - criador, juntamente com Alejandro Jodorowsky e Roland Topor, no início dos anos 1960, do Movimento Pânico, uma expressão artística com pretensões de anunciar a loucura controlada como possibilidade de sobrevivência ante uma sociedade em crise de valores (a sociedade pós-moderna).
Comentários CORRIGIR TEXTO