Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CINEMA

- Publicada em 03h33min, 29/08/2019. Atualizada em 13h46min, 20/09/2019.

Aclamado 'Bacurau' estreia nesta quinta-feira nos cinemas de todo o Brasil

Sonia Braga e Udo Kier em um dos tantos momentos de tensão de 'Bacurau', longa que mostra a fibra resistente do sertanejo

Sonia Braga e Udo Kier em um dos tantos momentos de tensão de 'Bacurau', longa que mostra a fibra resistente do sertanejo


VICTOR JUCÁ/DIVULGAÇÃO/JC
Caroline da Silva
Rodado no povoado de Barra, na fronteira do Rio Grande do Norte com a Paraíba, no sertão do Seridó, o western Bacurau teve sua estreia mundial no Festival de Cannes, onde arrebatou o Prêmio Especial do Júri. Depois, recebeu o prêmio de melhor filme na principal mostra do Festival de Munique e foi convidado para mais de uma centena de eventos.
Rodado no povoado de Barra, na fronteira do Rio Grande do Norte com a Paraíba, no sertão do Seridó, o western Bacurau teve sua estreia mundial no Festival de Cannes, onde arrebatou o Prêmio Especial do Júri. Depois, recebeu o prêmio de melhor filme na principal mostra do Festival de Munique e foi convidado para mais de uma centena de eventos.
A primeira exibição do longa de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles no Brasil ocorreu na abertura do 47º Festival de Cinema de Gramado, fora de competição. Nesta quinta-feira (29), o título entra em circuito comercial no País todo, com grande número de cópias, pela distribuidora Vitrine Filmes.
Contando com o eterno vilão de Hollywood, o alemão Udo Kier, e mais sete atores do exterior, a obra une ação, distopia e ficção científica - como um drone em forma de disco voador. Porém, Mendonça Filho brincou que a produção fez uso de efeitos especiais baratos, em quatro palavras:
"Daqui a alguns anos". Bacurau é um distrito fictício no sertão de Pernambuco, pertencente à cidade de Serra Verde, num futuro próximo. De uma hora para outra, os habitantes descobrem que a vila sumiu literalmente do mapa, quando uma série de episódios violentos começa a acontecer e assustar os moradores.
Além da diva da sétima arte Sonia Braga, o elenco brasileiro tem destaque com Silvero Pereira, Barbara Colen, Wilson Rabello, Thomas Aquino, Karine Teles e Antonio Saboia. A musa faz Domingas, uma senhora médica em um posto de saúde, dentro de um filme-coral de múltiplas figuras que traduzem o povoado, com as micro-histórias plurais de diferentes personagens. "Domingas é completamente diferente de Clara (protagonista de Aquarius, 2016, longa anterior do diretor). Pela primeira vez, trabalhei no Sertão nordestino. O importante é ser dirigida, entender a personagem, que brota daquela terra", afirmou a veterana atriz.
Na trama, os moradores do povoado se escondem em uma escola e um museu: "São fortalezas dentro da comunidade", comentou Mendonça Filho, que também retrata no filme uma mania brasileira de não visitar museus. O cineasta complementou: "Educação é a base de Bacurau. A casa de Carmelita (moradora antiga da vila, ex-quilombola, interpretada por Lia de Itamaracá, em uma participação cheia de brilho e simbolismo) é cheia de livros. Era uma cidade que não usava armas. Elas estavam guardadas em museu".
A trama começa com a neta dessa personagem, Teresa (vivida pela atriz Barbara Colen), retornando à origem para o velório e enterro da avó, que morreu aos 94 anos. A moça vem na carona de um caminhão-pipa, carregando água potável para a vila, que atropela caixões de madeira pelo caminho. A tensão já começa aí. Antes de o veículo fazer um zigue-zague pela estrada, a placa na beira da via anuncia que o destino está próximo: "Bacurau a 17 km - Se for, vá na paz".
Pelos mais de 120 minutos que se seguirão, o que menos se verá em tela será tranquilidade. A cor do filme é o vermelho do sangue, e não o branco da paz. O projeto de uma década dos diretores (que trabalham juntos há 16 anos, sendo Dornelles o diretor de arte dos títulos anteriores de Mendonça Filho) é um filme de gênero que traz a resistência, a luta pela vida.
O cenário é singular, com protagonismo da vegetação e bioma exclusivos do Agreste (nos espinhos dos cactos e no título do longa, derivado do nome de um pássaro da região ameaçado de extinção, assim como seus moradores). Bacurau é o apelido do último ônibus da madrugada em Recife, pois a ave tem hábitos noturnos. Vigilante, o pássaro pousa à beira de estradas, se camufla em folhagens. Tem um canto assustado, como um aviso. Assim como o longa, que soa como uma estridente sirene de alerta de emergência.
A obra clama pela valorização e pelo resgate da história e da memória, lembrando que as gerações passadas já foram resistência naquele pedaço geográfico, inclusive lutando por sua sobrevivência e sua liberdade - a exemplo dos quilombolas e do Cangaço, retratado nas paredes do museu da vila. Ilustrando a neologia "nordestern", o faroeste contemporâneo também traz a representação do invasor norte-americano, em uma narrativa de thriller com linguagem universal.
Além do caricato perfil coronelista do prefeito do interior do Nordeste, há também críticas à indústria farmacêutica, à formação de milícias, entre tantas outras - construídas na forma de metáforas. O filme é uma grande mina, onde se acham pedras preciosas brutas, para o público garimpar os sentidos. Nem uma palavra dita ou escrita e nenhum dos fortes elementos visuais que aparecerão na tela serão em vão.
Destaque para a trilha sonora: a abertura tem a canção Não identificado, de Caetano Veloso, para introduzir as questões relativas ao espaço sideral: "Minha paixão há de brilhar na noite/ No céu de uma cidade do interior". Já o final traz Réquiem para Matraga, mais um hino de protesto de Geraldo Vandré, parte da trilha de A hora e a vez de Augusto Matraga (1965), de Roberto Santos, baseado em Guimarães Rosa: "Ninguém há de me calar/ Se alguém tem que morrer/ Que seja pra melhorar".
Comentários CORRIGIR TEXTO