Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

festival de gramado

23/08/2019 - 09h18min. Alterada em 23/08 às 10h06min

Em Gramado, Miguel Falabella lê manifesto em defesa do audiovisual

Carta de Gramado 2019 foi assinada por 63 entidades do setor

Carta de Gramado 2019 foi assinada por 63 entidades do setor


Edison Vara/Agência Pressphoto/JC
Caroline da Silva, de Gramado
Na Serra, no 47° Festival de Cinema de Gramado, Miguel Falabella, diretor do longa Veneza, leu na íntegra a Carta de Gramado 2019, assinada por 63 entidades do setor do audiovisual. O realizador e toda sua equipe apresentaram o filme em competição na mostra nacional do evento, na noite de quinta-feira (22). Antes de descer do palco, a atriz Dira Paes ainda gritou para a plateia: "Não ao desmatamento e às queimadas na Amazônia!", sendo apoiada com palmas, assobios e brados do público.
Na Serra, no 47° Festival de Cinema de Gramado, Miguel Falabella, diretor do longa Veneza, leu na íntegra a Carta de Gramado 2019, assinada por 63 entidades do setor do audiovisual. O realizador e toda sua equipe apresentaram o filme em competição na mostra nacional do evento, na noite de quinta-feira (22). Antes de descer do palco, a atriz Dira Paes ainda gritou para a plateia: "Não ao desmatamento e às queimadas na Amazônia!", sendo apoiada com palmas, assobios e brados do público.
"Apoiamos a permanência e independência da Ancine, agência responsável pelas políticas públicas de fomento e regulamentação, cada vez mais ativa, livre e desburocratizada com foco no desenvolvimento de uma cinematografia forte, capaz de representar o Brasil em toda a sua diversidade", diz trecho da Carta (confira o texto na íntegra abaixo). 
Segunda direção em longa de Falabella - o primeiro foi Polaroides urbanas, comédia de 2007 -, Veneza é uma enorme produção, com méritos artísticos e grande, variado e competente elenco (além de Dira, Du Moscovis, Carol Castro, Danielle Winits, Maria Eduarda de Carvalho, André Mattos, Caio Manhente, Roney Villela e Pia Manfroni, entre outras participações menores), incluindo estrelas internacionais, como Carmen Maura.
Segundo o cineasta, o filme é uma fábula e deve ser entendido como tal. "Hoje, essa mítica viagem através do sonho seria uma maneira de atravessar o pesadelo que vivemos, a bordo dessa gôndola poética." Os personagens encenam juntos uma viagem à romântica cidade italiana com ruas de água para a velha cafetina cega vivida por Maura resolver os seus ressentimentos do passado, em busca de perdão do grande amor. A equipe do circo vizinho ao bordel ajuda na missão. Não é muito difícil adivinhar como será o pagamento da trupe pela montagem do espetáculo de sensações que perpassam a visão.
CARTA DE GRAMADO
Profissionais e entidades representativas do Audiovisual Brasileiro vêm se manifestar em apoio à manutenção e ao fortalecimento das políticas públicas para o desenvolvimento do setor.
Apoiamos a permanência e independência da Ancine, agência responsável pelas políticas públicas de fomento e regulamentação, cada vez mais ativa, livre e desburocratizada com foco no desenvolvimento de uma cinematografia forte, capaz de representar o Brasil em toda a sua diversidade.
Apoiamos o Fundo Setorial do Audiovisual, a sua vinculação à Ancine e a nomeação do Comitê Gestor. Seus recursos são gerados pelo próprio setor de forma autossustentável.
Apoiamos a Lei da TV Paga (12.485), pelo seu papel decisivo no crescimento do setor e por facilitar o acesso da população ao conteúdo nacional independente.
Reivindicamos a renovação da Cota de Tela cujo decreto para o ano de 2019 ainda não foi assinado pelo governo brasileiro.
Reivindicamos a renovação do Recine e da Lei do Audiovisual, antes da sua expiração em dezembro deste ano.
Apoiamos a regulação do VOD, que precisa estabelecer as bases deste novo mercado e integrar este segmento às políticas de estímulo à produção nacional.
Contestamos a Portaria 1.576, de 20 de agosto, que suspende os termos do Edital de Chamamento das TVs Públicas publicada ontem.
Repudiamos qualquer ataque e qualquer tipo de censura que atenta à liberdade de expressão e fere os preceitos constitucionais garantidos pelo Art. 5o da Constituição.
O audiovisual brasileiro vive o seu melhor momento, com reconhecido potencial cultural, artístico e econômico dentro e fora do país. A nossa cadeia produtiva é dinâmica e movimenta mais de 25 bilhões de reais por ano, representando 0,46% do PIB brasileiro, tem uma taxa de crescimento de 8,8% ao ano e é responsável por mais de 330 mil empregos.
Garantir um audiovisual fortalecido e livre é fundamental para a soberania nacional. Gramado, 22 de agosto de 2019.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia