Porto Alegre, sexta-feira, 31 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 31 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

cinema

- Publicada em 01h09min, 08/03/2019. Atualizada em 07h26min, 08/03/2019.

Produtora Alumbramento apresenta último trabalho

Premiado no Festival de Brasília, O último trago tem cenas no sertão nordestino

Premiado no Festival de Brasília, O último trago tem cenas no sertão nordestino


LUME FILMES/DIVULGAÇÃO/JC
O último trago marca o fim das atividades da produtora Alumbramento, que ao longo de 11 anos de atividade produziu 13 longas-metragens. Com direção de Luiz Pretti, Pedro Diógenes e Ricardo Pretti, o trabalho destaca uma série de eventos que atravessam os tempos e espaços - do sertão nordestino ao litoral, ao longo de séculos.
O último trago marca o fim das atividades da produtora Alumbramento, que ao longo de 11 anos de atividade produziu 13 longas-metragens. Com direção de Luiz Pretti, Pedro Diógenes e Ricardo Pretti, o trabalho destaca uma série de eventos que atravessam os tempos e espaços - do sertão nordestino ao litoral, ao longo de séculos.
O enredo começa quando uma mulher ferida é capturada à beira da estrada por um personagem enigmático. Em uma boate, sob os olhares de seu captor e do público, ela dança até chegar a uma espécie de transe, evocando uma mulher indígena e apresentando ao espectador outra realidade.
Rodado no Ceará, o filme teve lançamento no 49º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, em 2016. Na ocasião, levou os troféus candango de melhor montagem (Clarissa Campolina), atriz coadjuvante (Samya de Lavor) e direção de fotografia (Ivo Lopes Araújo).
Comentários CORRIGIR TEXTO