Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de novembro de 2018.
Dia Nacional da Consciência Negra. Dia Universal das Crianças.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

cinema

Edição impressa de 16/11/2018. Alterada em 18/11 às 12h01min

Longa brasileiro conta história de família que mantém um circo

Filme pode representar o Brasil em possível indicação ao Oscar de melhor filme estrangeiro

Filme pode representar o Brasil em possível indicação ao Oscar de melhor filme estrangeiro


FESTIVAL DE GRAMADO/DIVULGAÇÃO/JC
Selecionado para representar o Brasil em uma possível indicação ao Oscar de melhor filme estrangeiro, O grande circo místico é o 18º longa-metragem do diretor Cacá Diegues. A produção destaca a história de gerações da família que mantém um circo.
Ao longo deste período, os espectadores acompanham, com a ajuda de um mestre de cerimônias, as aventuras e amores dos Kieps, desde o início do trabalho artístico, em 1910, até a contemporaneidade.
O elenco conta com artistas brasileiros, como Jesuíta Barbosa, Bruna Linzmeyer e Mariana Xiemenes, e um time internacional. Participam os franceses Vincent Cassel (que recentemente também fez, no País, O filme da minha vida) e Catherine Mouchet, e o polonês David Ogrodnik (do oscarizado Ida).
Cacá Diegues tem no currículos obras como Orfeu (1999) e Bye bye Brasil (1980).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia