Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Festival de gramado

23/08/2018 - 14h03min. Alterada em 23/08 às 14h23min

Em 2018, Festival de Gramado brinda turistas e críticos

Com filmes excelentes e presença  de artistas, evento lotou a cidade com turistas

Com filmes excelentes e presença de artistas, evento lotou a cidade com turistas


Cleiton Thiele/Pressphoto/Divulgação/JC
Caroline da Silva, de Gramado
Em uma edição marcada pela qualidade dos filmes selecionados (sem deixar de lado a grande presença de artistas – Jesuíta Barbosa, Bruna Linzmeyer, Mariana Ximenes, Marieta Severo, Adriana Esteves, Caco Ciocler, Fabrício Boliveira, Ísis Valverde, Hermila Guedes, Daniel de Oliveira – que atraem mídia e turistas), o 46º Festival de Cinema de Gramado chega ao fim neste fim de semana. A premiação ocorre na noite de sábado (25), com entrega dos Kikitos tendo transmissão ao vivo pelo Canal Brasil. O portal G1 também faz a cobertura, além do Twitter oficial do evento: @cinemadegramado.
Para dar conta da magnitude de um evento como esses, a cidade da Serra apresenta uma rede bastante estruturada. Segundo o prefeito João Alfredo Bertolucci (Fedoca), que na abertura já assegurava que esta era a edição mais vigorosa e acessível da história do evento, 86% da atividade econômica do município é vinculada ao turismo. “A fórmula é exibir os atrativos. Gramado é uma cidade que tu tens a refeição que quiseres. Da culinária mundial, temos de todas as etnias. Isso aproxima, facilita o nosso comércio. Recebemos bons consumidores durante o festival.”
Apesar de ser tênue, sempre se notou uma divisão de fases no movimento do evento. A partir da quinta-feira anterior ao festival, o público lota a cidade. “O que não fazíamos ideia é que teríamos tanta gente, neste ano, no primeiro fim de semana”, conclui Fedoca, sobre a ocupação acima da média. “Não é comum, o normal é no encerramento, pois a gama de artistas está reunida, os filmes já foram vistos e há curiosidade para saber os vencedores. A cerimônia tem todo um glamour, o tapete vermelho é um sucesso, porque exibe as estrelas das artes cênicas. O festival marca a cidade”, destaca o gestor, afirmando que este ainda é o evento que mais resulta em publicações sobre o município. “É um casamento de 46 anos, o Festival de Cinema cresceu junto com Gramado.”
Até o momento, entre os longas nacionais, o favorito é Benzinho, de Gustavo Pizzi e Karine Teles; entre os estrangeiros, o paraguaio Las Herederas concentra as apostas. No panorama dos curtas, é difícil arriscar palpites, uma vez que a diversidade é muito grande. Entretanto, chamaram atenção a sensível animação Guaxuma (PE), de Nara Normande; o inventivo A retirada para um coração bruto (MG), de Marco Antonio Pereira; o social Estamos todos aqui (SP), de Chico Santos e Rafael Mellim; e o lúdico Nova Iorque (PE), de Leo Tabosa. O representante gaúcho, Catadora de gente, de Mirela Kruel, também impactou positivamente.
As produções do Estado em longa-metragem entram em competição na noite desta sexta-feira: A cidade dos piratas, de Otto Guerra, e O avental rosa, de Jayme Monjardim.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia