Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de agosto de 2020.
Dia do Controle de Poluição Industrial.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 14 de agosto de 2020.
Notícia da edição impressa de 14/08/2020.
Alterada em 14/08 às 03h00min

Desafios da gestão pública

Pesquisa sobre saneamento revela que 46,85% da população não dispõem de tratamento de esgoto

Pesquisa sobre saneamento revela que 46,85% da população não dispõem de tratamento de esgoto


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
A realidade social complexa chegou à exaustão e urge a necessidade da gestão pública nos quatro entes federados, União, estados, municípios e Distrito Federal; bem como os três poderes, Legislativo, Executivo e Judiciário; enfrentar e quebrar paradigmas para promover transformações no modo de governar.
A realidade social complexa chegou à exaustão e urge a necessidade da gestão pública nos quatro entes federados, União, estados, municípios e Distrito Federal; bem como os três poderes, Legislativo, Executivo e Judiciário; enfrentar e quebrar paradigmas para promover transformações no modo de governar.

Cidadãos conscientes

Os cidadãos, cada vez mais conscientes de sua corresponsabilidade na gestão de sua cidade, seu estado e seu país, vêm exigindo mecanismos de transparência e eficiência nos serviços públicos.

Modelo desatualizado

No entanto, restrito por uma legislação que, muitas vezes, não está focada na promoção de mudanças que gerem, de fato, um grande impacto na gestão, o poder público permanece, de maneira geral, reproduzindo um modelo desatualizado de administração.

Saneamento básico

O fato é que, mesmo que gestores públicos tenham consciência desse novo cenário que se impõe, eles ainda lidam com desafios substanciais para se adequar a ele. Por exemplo, o governo federal possui nove órgãos que fazem alguma coisa de saneamento básico e ninguém é responsável por nada. O que se vê? Atraso no cumprimento de metas, obras inacabadas, processos travados e etc.

Apadrinhados políticos

O governo, em vez de extinguir autarquias ultrapassadas e obsoletas, prefere manter para poder abrigar apadrinhados políticos. Enquanto não promover mudanças estruturais necessárias para garantir à população acesso aos serviços públicos com eficiência e transparência, o Brasil ficará no atraso econômico e social. O povo não é representado por um governo que fala muito, promete muito e nada faz de interesse de seu povo, senão a favor de seus compatriotas políticos.

Ranking do saneamento básico

O ranking do saneamento básico divulgado pelo Instituto Trata Brasil, este ano, mostra que o Brasil está longe de cumprir os compromissos nacionais e internacionais em água tratada, coleta e tratamento de esgoto.

Acesso ao abastecimento

Atualmente no País, usando o ano base 2018, ainda 16,38% da população brasileira não tem acesso ao abastecimento de água, o que representa quase 35 milhões de pessoas - três vezes a população de Portugal; e 46,85% não dispõem da cobertura da coleta de esgoto, chegando a mais de 100 milhões de pessoas sem esses serviços básicos - mais de duas vezes a população da Argentina. Além de tudo isso, o volume de esgoto no Brasil ainda é abaixo do ideal, somente 46% do volume gerado no País é tratado. Enquanto isso, o governo federal mantém nove órgãos que se atrapalham fazendo alguma coisa de saneamento básico, e ninguém é responsável por nada.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Edgar Lisboa
Edgar Lisboa
Notícias da capital federal e informações sobre projetos do Congresso Nacional e medidas do Palácio do Planalto, especialmente com interesse do Rio Grande do Sul estão na coluna Repórter Brasília. O jornalista Edgar Lisboa traz um resumo diário do que de mais importante acontece na tramitação do Legislativo e na movimentação da bancada federal gaúcha.