Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 25/03/2020.
Alterada em 24/03 às 21h54min

Transferência das eleições

A mudança de data das eleições municipais divide políticos, governos e analistas. Há quem defenda a mudança para uma data próxima, ainda neste ano; outros, para o próximo ano. Ganha musculatura os que querem eleições gerais em 2022.
A mudança de data das eleições municipais divide políticos, governos e analistas. Há quem defenda a mudança para uma data próxima, ainda neste ano; outros, para o próximo ano. Ganha musculatura os que querem eleições gerais em 2022.

Princípio da excepcionalidade

O deputado federal gaúcho Marcelo Moraes (PTB, foto) "não vê problema nenhum no adiamento das eleições municipais". No entanto, ressalta que, "dentro desse contexto, temos que lembrar à população, e lembrar aos colegas que estão defendendo isso, que o princípio da anualidade caiu". Lembra que, "para poder ter validade nesta eleição, deveríamos ter feito qualquer mudança em outubro do ano passado. Não tendo feito isso, vamos ter que se utilizar do princípio da excepcionalidade".

Não precisa ser agora

"A mudança, a alteração, dentro do princípio da excepcionalidade, ela tanto pode ser feita agora como pode ser feita daqui a 60 ou 90 dias", argumenta Moraes. Acrescentando que "não muda absolutamente nada votar isso, discutir isso agora ou daqui a 90 dias".

Prioridade é conscientização

Na avaliação do deputado, "a prioridade, agora, é outra. Tem gente morrendo agora, cada vez mais aumentando os números, estamos fazendo um trabalho de conscientização. Nós, deputados, tendo uma pauta que acho que vai ser consensual, mas que vamos ter que votar a toque de caixa; que são várias ações do governo, várias medidas provisórias na tentativa de conter o avanço desse vírus tanto na parte sanitária quanto na economia. Ações, estamos buscando ações para que a economia sobreviva. Já estamos colocando esses recursos lá", enfatizou o parlamentar.

Emendas parlamentares

Quanto às emendas, diz o parlamentar: "Já estamos discutindo o que vamos fazer com as emendas parlamentares. Se vamos colocar esses recursos lá, se vai ser devagar ou se vai ser de uma vez só; ou se, daqui a pouco, esses recursos vão para outro lugar, ou se entregamos nas mãos do Estado". Enfim, disse o deputado, "tem tanta coisa para se discutir, e tanta prioridade, que discutir que a eleição seja adiada chega a me parecer que é coisa de gente que tem interesse que a eleição se adie e que está se aproveitando dessa situação para adiar".

Olhando para o umbigo

Marcelo Moraes reafirma que é a favor de as eleições ocorrerem juntas, mas assinala que "não foi isso que votamos em outubro do ano passado". O deputado frisa que não é contra. "Sou a favor, inclusive de trocar a data. O que acho é que este momento requer muita atenção ao coronavírus. Discutir campanha política é olhar para o próprio umbigo."
 
Comentários CORRIGIR TEXTO
Edgar Lisboa
Edgar Lisboa
Notícias da capital federal e informações sobre projetos do Congresso Nacional e medidas do Palácio do Planalto, especialmente com interesse do Rio Grande do Sul estão na coluna Repórter Brasília. O jornalista Edgar Lisboa traz um resumo diário do que de mais importante acontece na tramitação do Legislativo e na movimentação da bancada federal gaúcha.