Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 22/01/2020.
Alterada em 21/01 às 23h52min
COMENTAR | CORRIGIR

Sem ameaça ao churrasco

POL - Deputado federal Heitor Schuch foto Pablo Valadares Câmara dos Deputados.

POL - Deputado federal Heitor Schuch foto Pablo Valadares Câmara dos Deputados.


/PABLO VALADARES/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
A carne foi o produto que mais subiu de preço nos supermercados no ano passado. Chegou a desbancar o conhecido vilão dos preços ao consumidor, o tomate. Nas churrascarias, os preços impactaram um pouco, mas aumentos já fazem parte da rotina do empresário do setor, que enfrenta subidas e quedas de preços na carne que vão para o espeto, mas não chegam a ameaçar o churrasco.
A carne foi o produto que mais subiu de preço nos supermercados no ano passado. Chegou a desbancar o conhecido vilão dos preços ao consumidor, o tomate. Nas churrascarias, os preços impactaram um pouco, mas aumentos já fazem parte da rotina do empresário do setor, que enfrenta subidas e quedas de preços na carne que vão para o espeto, mas não chegam a ameaçar o churrasco.
Importação da China
O deputado federal gaúcho Heitor Schuch (PSB) avaliou que vários fatores levaram a essa alta de preços no mercado. Entre eles, a grande importação de proteína animal feita pela China por causa da peste suína africana, que dizimou os plantéis do país asiático e fez a cotação da arroba do boi gordo atingir o pico histórico, no fim do ano passado.
Carnes, maiores altas
De janeiro a dezembro, o pernil suíno aumentou 52,15% e liderou a lista de alta, enquanto o tomate recuou 31,44% e encabeçou o ranking de baixa, segundo o Índice de Preços dos Supermercados (IPS), apurado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) para a Associação Paulista de Supermercados (Apas). As maiores altas, no ano passado, foram registradas por carnes. Sete bovinas e um corte suíno que teve um aumento de 52,15%.
Aumento todos os anos
O empresário Celso Kaufman, gaúcho dono de churrascarias no País, conta uma história que ilustra bem o problema do aumento da carne. Ele explica que todos os anos os donos de frigorífico aumentam o preço do produto, e todos os anos eles dão uma justificativa, é isso, é aquilo. Kaufman contou uma história que ilustra bem o problema. Perguntei para o dono de um restaurante, amigo meu, como é que isso repercutiu aí no teu restaurante, esse aumento da carne? Ele disse: "Olha, como sei que daqui um tempo vai baixar o preço, é melhor aguardar, absorver".
Sem cardápio novo
Segundo o empresário, amigo de Celso, o aumento para ele "vai provocar uma mudança de cardápio que vai me custar muito mais caro fazer um cardápio novo, imprimir e tal, do que enfrentar o aumento. Então estou enfrentando o aumento sem fazer cardápio novo, estou esperando que eles baixem os preços; sempre foi assim. E, agora, os caras inventaram um negócio da China. Isso é bobagem, temos carne para consumir aqui à vontade. O preço já baixou".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Edgar Lisboa
Edgar Lisboa
Notícias da capital federal e informações sobre projetos do Congresso Nacional e medidas do Palácio do Planalto, especialmente com interesse do Rio Grande do Sul estão na coluna Repórter Brasília. O jornalista Edgar Lisboa traz um resumo diário do que de mais importante acontece na tramitação do Legislativo e na movimentação da bancada federal gaúcha.