Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 25 de julho de 2020.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 25 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 30/09/2019.
Alterada em 29/09 às 20h51min

Atenção ao Senado

O deputado federal gaúcho Alceu Moreira (MDB), coordenador da Frente Parlamentar da Agricultura (FPA), acha que um dos pontos que o governo deve dar atenção nesta semana é para que se conclua, no Senado, a reforma da Previdência. Na opinião do líder do agronegócio, "o governo tem que saber qual o risco político, no Senado, em relação ao assunto". Segundo o parlamentar, "o final das matérias pendentes não foi votado na última sessão do Congresso Nacional porque, depois das 19h30min, os senadores não deram quórum. É uma mensagem política ao governo". Para Moreira, "o governo tem que fazer uma interpretação para saber qual é o descontentamento e por que os senadores não votam". Na opinião de Alceu Moreira, "concluindo a reforma da Previdência, o governo tem que se dedicar a promover o debate sobre a reforma tributária. E esse é um dos temas mais importantes que o Congresso tem que tratar nos próximos dias".
O deputado federal gaúcho Alceu Moreira (MDB), coordenador da Frente Parlamentar da Agricultura (FPA), acha que um dos pontos que o governo deve dar atenção nesta semana é para que se conclua, no Senado, a reforma da Previdência. Na opinião do líder do agronegócio, "o governo tem que saber qual o risco político, no Senado, em relação ao assunto". Segundo o parlamentar, "o final das matérias pendentes não foi votado na última sessão do Congresso Nacional porque, depois das 19h30min, os senadores não deram quórum. É uma mensagem política ao governo". Para Moreira, "o governo tem que fazer uma interpretação para saber qual é o descontentamento e por que os senadores não votam". Na opinião de Alceu Moreira, "concluindo a reforma da Previdência, o governo tem que se dedicar a promover o debate sobre a reforma tributária. E esse é um dos temas mais importantes que o Congresso tem que tratar nos próximos dias".
Recuperação da economia
Para o congressista gaúcho, o governo trabalha intensamente na recuperação da economia. Citou como exemplo a promulgação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da outorga do preço do petróleo. Disse da necessidade de uma eficiente articulação política do governo com o Congresso "para melhorar a relação com a classe política, para poder, inclusive, ter vínculo de conversa, de compromissos, capaz de poder aprovar aquilo que é importante para o governo e que nem sempre cai nas graças da opinião pública".
Derrubada de vetos
Na avaliação de Alceu Moreira, a derrubada de vetos do presidente pelo Parlamento é uma coisa absolutamente natural. Na opinião do congressista, "isso não cria nenhum tipo de animosidade do governo contra o Congresso, até porque o presidente Jair Bolsonaro (PSL) conhece bem como funciona o Parlamento. Após seu pronunciamento na ONU (Organização das Nações Unidas), agora a expectativa se volta para as votações do Congresso". O parlamentar acredita que "a reforma tributária terá maior agilidade e velocidade conforme for a participação do governo, basicamente do Ministério da Economia". Segundo o deputado, "se o governo não vai ter uma proposta, que seria a terceira proposta, ele vai ter que entrar no debate e mostrar claramente qual é sua posição nestes debates técnicos que acabarão por definir posições políticas para aprovar esta ou aquela proposta".
Defesa dos caminhoneiros
A Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Caminhoneiros Autônomos e Celetistas, integrada por 235 deputados e 22 senadores, agora, fala mais alto no Parlamento. O coordenador recém-eleito, deputado federal gaúcho Nereu Crispim (PSL, foto), com mais de 25 anos de experiência no setor, sente-se à vontade e com conhecimento de causa para discutir os problemas dos caminhoneiros. Ele está abrindo um novo canal de negociação entre a categoria - responsável pelo transporte da maior parte da riqueza do Brasil - e o governo. Crispim garante que "na Frente Parlamentar haverá espaço para todos, inclusive sindicatos, transportadores, embarcadores e representantes do agronegócio. Estamos criando um ambiente de conversação para amenizar a saga de sofrimento dos nossos caminhoneiros nas estradas do País". O deputado federal gaúcho Ronaldo Santini (PTB) é o secretário-geral da frente parlamentar.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Edgar Lisboa
Edgar Lisboa
Notícias da capital federal e informações sobre projetos do Congresso Nacional e medidas do Palácio do Planalto, especialmente com interesse do Rio Grande do Sul estão na coluna Repórter Brasília. O jornalista Edgar Lisboa traz um resumo diário do que de mais importante acontece na tramitação do Legislativo e na movimentação da bancada federal gaúcha.