Porto Alegre, quarta-feira, 02 de junho de 2021.
Porto Alegre,
quarta-feira, 02 de junho de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

limpeza urbana

- Publicada em 21h21min, 01/06/2021. Atualizada em 10h08min, 02/06/2021.

Resíduos que poderiam ser reciclados vão para aterro

O reaproveitamento de resíduos pode ser feito em uma área pequena

O reaproveitamento de resíduos pode ser feito em uma área pequena


LUIZA PRADO/JC
Dos resíduos que geramos em casa - o lixo de cozinha ou de banheiro -, quase metade é de orgânicos: cascas e restos de alimentos, café, erva mate etc (veja tabela). Esse material tem potencial para ser "reciclado" por um processo natural de decomposição da matéria orgânica, que terá como resultado adubo natural para o solo.
Dos resíduos que geramos em casa - o lixo de cozinha ou de banheiro -, quase metade é de orgânicos: cascas e restos de alimentos, café, erva mate etc (veja tabela). Esse material tem potencial para ser "reciclado" por um processo natural de decomposição da matéria orgânica, que terá como resultado adubo natural para o solo.
O nome disso é compostagem, que pode ser feita de diferentes maneiras. A mais conhecida é depositar resíduos no solo, misturar à terra e cobrir com matéria seca - folhas ou serragem. Com mais alguns cuidados, basta deixar que o resto com o próprio material. "Compostar tem a ver com respeitar o ciclo natural de sobras orgânicas. O que veio da terra, volta para a terra", explica a engenheira sanitarista e ambiental Paula Moletta.
Para Nicole Becker Portela, engenheira ambiental, esse é um exemplo de economia circular - o composto gerado vai nutrir o solo. Mas em Porto Alegre (e na maioria das cidades brasileiras), o material orgânico descartado pela população não é reciclado - ou compostado. O destino dessa parcela de resíduos é o aterro sanitário, para onde vai também o rejeito - o lixo do banheiro, por exemplo. No caso do rejeito, não há tecnologia disponível ou viável que permita sua reciclagem. Com o orgânico, contudo, está se enterrando um recurso que poderia ser reaproveitado.
Por dia, Porto Alegre envia cerca de 1.100 toneladas de rejeitos e orgânicos para um aterro sanitário em Minas do Leão, distante 100 km da Capital. São mais de 70 viagens diárias para dar conta de escoar todo o resíduo descartado. Os dados são do DMLU. Como desse total já está descontada a parcela reciclável, coletada separadamente e enviada para unidades de triagem, mais da metade da carga é formada por orgânicos que poderiam ficar na cidade.
Em 2020, o recurso pago pela prefeitura ao aterro sanitário chegou a R$ 35 milhões, a um custo de R$ 67,18 por tonelada. Para 2021, o preço por tonelada subiu para R$ 74,17. Os valores são do Portal Transparência. "O custo da operação de resíduos é um dos maiores das prefeituras, às vezes equiparado com obras. Compostar, além dos benefícios (ambientais e sociais), permite encaminhar o dinheiro 'enterrado' para outras áreas", sustenta Paula.
Para isso, é preciso deixar de pensar no 'lixo' como passivo e encarar como um ativo, sustentam Paula e Nicole. As duas são embaixadoras do Instituto Lixo Zero em Porto Alegre, organização sem fins lucrativos vinculada ao Zero Waste International Alliance, que incentiva a conscientização sobre o lixo gerado e tem como meta desviar 90% dos resíduos de aterro sanitário ou incineração.
O caminho começa na casa de cada pessoa, ao seguir a lógica da separação por frações, conforme explicado na tabela: compostar o orgânico, reciclar o "seco" (embalagens), descartar o que é rejeito e separar de todos esses o que é lixo perigoso, como pilhas e lâmpadas.
O passo seguinte é cobrar do poder público que recicle o material orgânico, conforme prevê a Política Nacional de Resíduos Sólidos desde 2010. Em Porto Alegre, a prefeitura faz a compostagem de podas feitas em parques e praças. No Programa de Metas, estabeleceu que ampliará a produção de composto orgânico em 100 toneladas até 2024, passando de 384 para 489. "Para começar a compostar, pode ser um bairro piloto, ou um condomínio", diz Paula.

Compostagem também pode ser feita em casa

Compostagem pode ser feita em casa ou destinada a empresas que tratam os resíduos orgânicos
Compostagem pode ser feita em casa ou destinada a empresas que tratam os resíduos orgânicos
Divulgação/Minhoca Urbana

O engenheiro ambiental Bruno Steyer explica que a compostagem pode ser feita em casa (ou no apartamento). Mas depende de conscientização das pessoas e de políticas públicas, que hoje são poucas. Quem quer fazer a sua parte pode buscar experiências comunitárias - uma delas é a Horta da Formiga, no Centro de Porto Alegre. Em casa, a opção é montar uma "composteira" com caixas de plástico ou comprar a estrutura. Steyer faz esse trabalho há três anos com a Minhoca Urbana. Ele vende composteiras com ou sem minhoca para quem quer compostar, e também recebe resíduos numa espécie de plano de assinatura: a pessoa deposita seus orgânicos num balde e o resíduo é recolhido periodicamente. Em troca do pagamento, o cliente recebe adubo para suas plantas e sabão caseiro.

Paralelas

Plantas compartilhadas
No dia 5 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente, a Agapan promove o evento "Troca-troca de 'falantes'", para o compartilhamento de mudas de plantas. A atividade acontece das 15h às 18h no terreno da Agapn: Aureliano de Figueiredo Pinto, esquina com a avenida Praia de Belas.
E-book
As informações sobre o conceito Lixo Zero e sobre a Compostagem estão disponíveis em dois e-books produzidos pelo Instituto Lixo Zero. O acesso é gratuito.
Comentários CORRIGIR TEXTO