Porto Alegre, terça-feira, 05 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 05 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Resíduos sólidos

- Publicada em 19h33min, 07/12/2020. Atualizada em 20h18min, 05/01/2021.

Câmara rejeita projetos de logística reversa em Porto Alegre

Na Capital, triagem de resíduos é feita por cooperativas conveniadas à prefeitura

Na Capital, triagem de resíduos é feita por cooperativas conveniadas à prefeitura


MARCELO G. RIBEIRO/arquivo/JC
Os quatro projetos da prefeitura de Porto Alegre que previam a regulamentação municipal da logística reversa de resíduos foram rejeitados em sessão virtual na tarde desta segunda-feira, dia 7. As propostas tratavam do descarte de pneus; embalagens; medicamentos humanos e veterinarios; e lâmpadas, eletroeletrônicos, pilhas e baterias. Vereadores manifestaram contrariedade pela falta de prazo para o debate de um tema de relevância social e econômica e disseram esperar que o tema volte à pauta na próxima gestão.
Os quatro projetos da prefeitura de Porto Alegre que previam a regulamentação municipal da logística reversa de resíduos foram rejeitados em sessão virtual na tarde desta segunda-feira, dia 7. As propostas tratavam do descarte de pneus; embalagens; medicamentos humanos e veterinarios; e lâmpadas, eletroeletrônicos, pilhas e baterias. Vereadores manifestaram contrariedade pela falta de prazo para o debate de um tema de relevância social e econômica e disseram esperar que o tema volte à pauta na próxima gestão.
De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), a responsabilidade pelo custeio da coleta e classificação dos materiais recicláveis é do gerador do produto (fabricante, importador, distribuidor e comerciante), por meio do sistema de logística reversa - ou seja, o produto faria o caminho inverso, voltando do consumidor para a ponta inicial da cadeia produtiva, que é quem produziu aquele resíduo. Esse sistema deve acontecer por meio de acordos setoriais firmados entre o poder público e o setor empresarial. Caso o serviço seja feito pelo município (caso de Porto Alegre), esse deve ser ressarcido pelo setor empresarial, o que na prática não acontece.
A PNRS incentiva que o setor produtivo priorize parcerias com catadores organizados em cooperativas e associações para cumprir com sua obrigação legal. Contudo, o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) não incluiu essa previsão nos quatro projetos que enviou ao Legislativo em julho deste ano. Na ocasião, classificou o trabalho das unidades de triagem - conveniadas ao município - como "inadequado". A postura do prefeito foi repudiada por trabalhadores das cooperativas e mais de 50 entidades representativas da sociedade em carta de repúdio.
Comentários CORRIGIR TEXTO