Porto Alegre, quarta-feira, 28 de outubro de 2020.
Dia do Funcionário Público. Dia de São Judas Tadeu.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 28 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Eleições 2020

- Publicada em 07h50min, 28/10/2020.

Valter Nagelstein e o desafio da reciclagem em Porto Alegre

Embora, de acordo com a prefeitura, a coleta seletiva atenda todas as ruas que o caminhão consegue acessar, o percentual de reciclagem é de 5,3%, considerado muito baixo. Diante deste cenário, a coluna perguntou aos candidatos à prefeitura de Porto Alegre qual a proposta de cada um para aumentar o percentual de resíduos reciclados. Confira a resposta de Valter Nagelstein (PSD).
Embora, de acordo com a prefeitura, a coleta seletiva atenda todas as ruas que o caminhão consegue acessar, o percentual de reciclagem é de 5,3%, considerado muito baixo. Diante deste cenário, a coluna perguntou aos candidatos à prefeitura de Porto Alegre qual a proposta de cada um para aumentar o percentual de resíduos reciclados. Confira a resposta de Valter Nagelstein (PSD).
Criar campanhas educativas permanentes para aumentar quantidade do lixo separado nas casas. Fazer com que portoalegrenses adotem como prática. Se isso acontecer, naturalmente terá aumento desse número de 6% e espero no mínimo triplicar. Isso vai significar que melhore renda das cooperativas de recicladores das unidades de triagem. Ao mesmo tempo trabalhar questão dos recicladores autônomos, que são na verdade catadores e fazem trabalho de limpeza por um lado, mas muitas vezes de sujar a cidade espalhando lixo. Prefeito deve olhar de perto para buscar meios de resolver, ajudando, se possível trazer para a cooperativa de triagem. Também instituir um programa de troca-troca, a exemplo Caxias do Sul. Lá, cada 5kg lixo gera voucher para trocar por 1kg alimento nas feiras. Com isso estimular as pessoas a reciclarem, nas comunidades mais carentes para enfrentar focos. E grande programa é o “lixo zero” ao final quatro anos, com a construção de usina de geração de energia elétrica que vai queimar todo aquele lixo que não seja reaproveitável, tudo aquilo que não tem valor econômico, que não puder ser reciclado, vai ser queimado e vai gerar energia elétrica. Gerar renda para a cidade e evitar a continuidade de um grande passivo ambiental que é enterrar lixo, pelo custo que tem e pelo custo ambiental.
Comentários CORRIGIR TEXTO