Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 26 de agosto de 2020.
Notícia da edição impressa de 26/08/2020.
Alterada em 26/08 às 03h00min

Imagem do passado

Emblemática e bela a foto que ilustra a nota De volta ao passado, da coluna de Fernando Albrecht (Jornal do Comércio, edição de 21/08/2020). Em minha adolescência, nos idos de 1950, passava parte de minhas férias na casa de meus avós, no interior de Santo Cristo, auxiliando nas lides do dia a dia da colônia, me sentindo o máximo quando os tios me deixavam "pilotar" a carroça, com o uso do idioma bovino: alo... hoirt... haar. hôôô... Além do que foi descrito pelo colunista, a foto registra uma imagem exata da dura realidade da vida dos agricultores daquela época: na ausência do marido, era comum que as mulheres da casa, na parte da tarde, realizassem as tarefas, da roça. Para isso levavam junto as crianças, e também as vovós... Outro aspecto interessante que a foto revela, e o que era muito comum, é que a carroça era puxada por um junta de vacas, isso porque estas eram multifuncionais, porque além de puxar o arado e a carroça, também forneciam o leite, nata e queijo para a família. (Lauro de Wallau)
Emblemática e bela a foto que ilustra a nota De volta ao passado, da coluna de Fernando Albrecht (Jornal do Comércio, edição de 21/08/2020). Em minha adolescência, nos idos de 1950, passava parte de minhas férias na casa de meus avós, no interior de Santo Cristo, auxiliando nas lides do dia a dia da colônia, me sentindo o máximo quando os tios me deixavam "pilotar" a carroça, com o uso do idioma bovino: alo... hoirt... haar. hôôô... Além do que foi descrito pelo colunista, a foto registra uma imagem exata da dura realidade da vida dos agricultores daquela época: na ausência do marido, era comum que as mulheres da casa, na parte da tarde, realizassem as tarefas, da roça. Para isso levavam junto as crianças, e também as vovós... Outro aspecto interessante que a foto revela, e o que era muito comum, é que a carroça era puxada por um junta de vacas, isso porque estas eram multifuncionais, porque além de puxar o arado e a carroça, também forneciam o leite, nata e queijo para a família. (Lauro de Wallau)
Reforma tributária
Os discursos sinalizam que a reforma tributária não terá grande impacto na redução da desigualdade social. O foco se restringe à simplificação do sistema tributário. Entretanto, a redução da carga tributária na base da pirâmide social, através de desonerações, redução e/ou isenção de impostos em produtos da cesta básica, redução da alíquota do IR da pessoa física na faixa inicial e outras possibilidades de integrar esse contingente de pessoas efetivamente 'na economia', são ações que não animam muito os políticos legisladores de plantão, muito menos a elite econômica. Menor chance ainda terá tributação de lucros e dividendos, a taxação de grandes fortunas e a transferência de patrimônio com índices razoáveis e adotados em países desenvolvidos que ostentam menor desigualdade social. (José Mariano Bersch, Porto Alegre)
Antes de tudo
O nosso planeta tem uma história bem mais longa do que nosso diminuto cérebro possa arcar com. Nem dá para descrever tamanha infinidade de fatos. O calor que emanava das estrelas fazia com que tudo rodasse e aos poucos iam se formando grandes corpos de tudo que nele se aglutinasse. Quando enfim caminhos houve para todos os corpos celestes, cada um começou sua trajetória. O nosso planeta chamado Terra foi agraciado com muitas formas de vida. A mais prolífera e marcante é a humana. Mesmo que ainda não tinha sido definido o masculino ou feminino, mas, sim, sexo sempre houve. Para proteger a prole foram selecionadas aquelas criaturas que melhor procriavam para viverem nas cavernas, que foram as primeiras salas de aula. Pinturas estão lá para nós vermos. Numa terrível hecatombe, as primeiras formas de vida foram eliminadas. As cavernas e seus habitantes resistiram. Somos nós agora. (Catia Brach Monser)
Praças
Ainda bem que o sol voltou. Muitas praças e parques de Porto Alegre com centenas de pessoas, aproveitando os dias bonitos e ensolarados. Aos poucos, temos todos que voltar à rotina e rezar para que o bicho chinês vá embora de vez... (Paula Campos Sartori)
 
Comentários CORRIGIR TEXTO
Roberto Brenol Andrade
Roberto Brenol Andrade
A opinião dos leitores do Jornal do Comércio é publicada diariamente no espaço Palavra do Leitor.