Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Edição impressa de 23/07/2018. Alterada em 22/07 às 22h06min

IPTU

Deixar a aprovação da nova planta de valores do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) para 2020 é fazer Porto Alegre afundar ainda mais no caos em que já se encontra. Se for assim, conforme li na edição do Jornal do Comércio de 18/07/2018, o ano que vem, 2019, será de paralisia total dos serviços, além do atraso sistemático nos vencimentos do funcionalismo e fornecedores. E pedir o impedimento do prefeito por conta dos repasses - mais do que necessários - à Companhia Carris para que ela consiga se manter funcionando é de uma burrice política atroz. A Carris é da prefeitura. Logo, ela tem que socorrê-la. Mas, não se pode esquecer que neste ano de 2018, até junho, Nelson Marchezan Júnior (PSDB) pagou rigorosamente em dia os vencimentos. Aí, não interessa saber? (Maria Luiza Benitez, Porto Alegre)
IPTU II
Diante da incontestável perda de poder aquisitivo da maioria esmagadora dos contribuintes porto-alegrenses, o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) deveria encaminhar um projeto à Câmara de Vereadores propondo a redução generalizada do IPTU, e nunca o que está pretendendo atualmente. É preciso demonstrar alguma sensibilidade política para o momento difícil vivenciado pela sociedade. (Roberto Fissmer)
Começo de Conversa
Porto Alegre parou no tempo (coluna Começo de Conversa, Jornal do Comércio). E em vários aspectos: entrada da cidade tem matagal nas marginais, praças abandonadas pela prefeitura e pessoas tomando conta, construindo até casas nas praças. Nunca vi uma cidade com tantas árvores (arbustos) sem paisagismo. Exemplos: avenida Ipiranga e Parque Marinha. Ainda tem poste de ferro, coisa do século XIX. Para efeito de comparação, Curitiba (PR) já está no terceiro estágio de postes de iluminação, maiores, mais altos e com tecnologia para mais fiações futuras. (Jeferson Luiz Pereira)
Herança da culpa
O grupo Shirat Shalom, da Sociedade Israelita Brasileira de Cultura e Beneficência (Sibra), na rua Mariante, bairro Rio Branco, promoveu a exibição do documentário "Os fantasmas do III Reich", da cineasta Claudia Sobral. O filme apresenta entrevistas e depoimentos de filhos e netos de altos oficiais nazistas, e como reagiram aos atos cometidos pelos seus familiares. Após a projeção, Claudia e a psicanalista Ana Trachtenberg debateram sob a moderação do cineasta Jaime Lerner com uma plateia de 200 pessoas. (Daniel Weiss Vilhordo)
Médico
Como um médico, Denis Furtado, que dizia ter feito mais de 5 mil procedimentos de bioplastia - injetando substâncias para remodelar o corpo - foi indiciado quatro vezes no Distrito Federal e tem ficha com sete anotações na polícia do Rio de Janeiro, continuava clinicando, fazendo cirurgias? Só no Brasil mesmo! (Maria Luiza de Mello, Porto Alegre)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Vinicius 23/07/2018 11h42min
Convenhamos, valor do iptu teria que ser no máximo R$10, 00 por m2 e fim de papo. Nada vale mais do que isso nessa cidade suja, fedorenta, abandonada, inclusive nos bairros nobres.