Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de dezembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de dezembro de 2020.
Notícia da edição impressa de 15/12/2020.
Alterada em 23/12 às 09h13min

Caetano, I am a live

William Botlender / Arte JC
William Botlender / Arte JC
Empreendedor, fundador do Grupo ABC
Caetano está ensaiando canções natalinas para a sua live de Natal oferecida pela N.Ideias, e eu vou chorar. Aliás, todos nós precisamos chorar. E cada um de nós neste Natal 2020 tem um motivo.
Pessoas que vão ter pessoas faltando à mesa. Uma amiga terá dois lugares vazios (perdeu pai e mãe na pandemia). Outros perderam a empresa. Outros, o emprego. Outros, como a minha amiga Lícia Fábio, na Bahia, estão há quase nove meses trancados sozinhos e talvez assim passem o Natal também.
Estamos todos no limite, exaustos. Minha esperança está exausta. Mas eu sou um privilegiado e não devo reclamar.
Eu chamo Luiza Trajano de Luizas Trajanos porque ela deve ser várias. Podia viver no bem-bom. Optou por cuidar do bom e fazer o bem. Lá está ela na live da diversidade, na live da mulher, na live daquela causa, daquela outra.
Quando eu canso, eu olho pra ela. Pra ela, pro Edu Lyra, pro Drauzio Varella, pra Geyze Diniz. E percebo que eu não tenho direito de cansar. De chorar, sim. De parar, não.
Quando eu tive Covid, ainda em março, no comecinho da pandemia, eu fiquei trancado 20 dias no meu quarto. Nunca fiquei tanto comigo. E fiz um pacto comigo mesmo de, mais do que nunca, ajudar e contribuir. Fiz lives, palestras, criei campanhas educativas, doei e doei-me.
Pensar nos outros é um impositivo social e humanista. E é também uma grande meditação, porque você esquece de si.
Lancei em junho uma campanha chamada Vai Ter Natal, incentivando as pessoas a montarem suas árvores de Natal e, assim, tirarem seus olhos do dia a dia tão difícil e incerto e colocarem a vista num ponto focal de esperança.
Nesses momentos, todos nós precisamos ser estadistas. "Não tenho nada a oferecer a vocês a não ser sangue, suor e lágrimas", disse Winston Churchill aos britânicos diante da luta contra os nazistas na Segunda Guerra. A compaixão e a força de vontade, juntas, vencem os piores inimigos.
Esse festival de horrores trouxe a morte para a sala de jantar. E a morte dá limite aos homens, prova que não somos deuses. Ela se sentou a meu lado quando estive no meu quarto trancado, com a comida colocada à porta.
O vírus me aprisionou e me levou a fazer uma revisão dos meus 62 anos, o que eu fiz deles e o que devo fazer dos meus próximos anos.
Não saí do meu quarto santo, mas acho que saí mais humano. Pensar em todos é a melhor maneira de pensar em si. Pensar nos outros é a melhor forma de egoísmo.
Este isolamento social mostrou a todos nós que a alegria é o outro. Que mesmo para os mais ricos dos homens, trancados em seus castelos, as coisas de que sentimos mais falta são de graça ou da graça.
Os outros são vida. Os outros são saúde mental. As lives explodiram pela necessidade do ser humano de conversar. Uma vez me perguntaram: o que você levaria para uma ilha deserta? Eu respondi na lata: gente!
Como diz o grande Hemingway, nenhum homem é uma ilha. A pandemia provou isso mais uma vez.
Este mundo desatento com as mudanças climáticas é um Titanic que julgamos inafundável rumando para um iceberg. Por isso quem tem voz tem que falar, cantar, pregar e animar. Ninguém pode largar a mão de ninguém.
Exausto, mais gordo, mais humano, sou um Papai Noel sem saco dando a você, meu país, o melhor presente que posso. Que ele nos faça chorar e dê de beber à nossa esperança. Porque enquanto não tivermos a vacina, ela é tudo o que temos.
Neste sábado, dia 19 de dezembro, às 21h no canal do YouTube de Caetano, vai ter Natal.
Um Natal feliz e seguro a você, meu querido leitor.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Opinião Econômica
Opinião Econômica
Abre espaço para a opinião qualificada sobre temas da área econômica e política, como juros, inflação, finanças pessoais, mercado de capitais e gestão, entre outros. Entre os articulistas, estão Nizan Guanaes, Samuel Pessoa, Márcia Dessem, Solange Srour e Nelson Barbosa.