Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 17/07/2020.
Alterada em 17/07 às 03h00min

Admirável mundo novo

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_nelson_barbosa-8871142.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d897088cf', 'cd_midia':8871142, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/nelson_barbosa-8871142.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Nelson Barbosa', 'ds_midia_credi': 'ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Nelson Barbosa', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_nelson_barbosa-8871142.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d897088cf', 'cd_midia':8871142, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/nelson_barbosa-8871142.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Nelson Barbosa', 'ds_midia_credi': 'ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Nelson Barbosa', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Professor da FGV e da UnB
A população mundial tende a se estabilizar e depois começar a cair neste século. Um estudo divulgado nesta semana apontou que o número de pessoas no planeta deve atingir 9,7 bilhões em 2064 e cair para 8,8 bilhões em 2100.
A previsão tem obviamente grande intervalo de confiança, ou seja, incerteza, mas ela confirma o que vários demógrafos e economistas apontam há alguns anos: a economia e a sociedade do século 21 serão bem diferentes do que estamos acostumados.
Sim, teremos mais pessoas idosas, requerendo mais ajustes em sistemas de trabalho, consumo e Previdência. Também teremos grande diferença de tendência populacional entre as principais regiões do mundo, o que tende a gerar fluxos migratórios de ordem não vista desde o descobrimento ou exploração das Américas.
A população da África subsaariana e do sul da Ásia tende a continuar crescendo explosivamente, enquanto na Europa, no Leste Asiático e nas Américas a previsão é de queda no número de habitantes. Dada a diferença de renda per capita entre os dois grupos, não é preciso ser economista para antecipar que haverá grande migração das regiões mais pobres para as mais ricas.
No caso do Brasil, a previsão é que nossa população atinja o máximo de 235 milhões em 2043 e depois caia gradualmente para 152 milhões no fim deste século. Essas projeções levam em consideração nossa realidade recente, de estagnação econômica. Porém, caso consigamos nos desenvolver mais rápido, com crescimento da renda per capita e redução de desigualdades, atrairemos milhões de imigrantes.
Por enquanto, questões demográficas só influenciam nosso debate sobre Previdência Social, mas as implicações do que está por vir vão muito além do INSS. Haverá mais demanda por saúde, incluindo medicamentos, e menos demanda por ensino fundamental e médio.
Haverá mudança no padrão de trabalho, com mais emprego de pessoas hoje consideradas idosas ou em fim de carreira. Haverá novo padrão de consumo, habitação e transporte, bem como alteração de tendências culturais e políticas.
Teremos também acirramento da disputa mundial por talentos, com "fuga de cérebros" de regiões mais pobres para regiões mais ricas. Políticas de imigração seletiva tendem a ganhar força à medida que a população começar a cair mais rápido no Japão, na Europa e na América do Norte.
No caso do Brasil, por enquanto atrair talentos não faz parte das prioridades do governo, e isso não é só falha de Bolsonaro (sim, isso foi autocrítica ao PT), mas estou divagando.
Voltando, a transição demográfica pode ocorrer em paralelo à transformação produtiva e institucional necessária para um padrão de desenvolvimento mais sustentável --uma sociedade "Jornada nas Estrelas"-- ou à degradação social e ambiental crescente --uma sociedade "Blade Runner".
Por enquanto os governos Trump, Bolsonaro e similares indicam futuro sombrio, com risco de nova "Idade das Trevas", mas que bolsonaristas preferem chamar de "paraíso" fazendo "arminha" enquanto gritam "mito".
Felizmente, no caso dos EUA e do Brasil, ainda há possibilidade de mudar o curso da história, retirando terraplanistas do poder via eleições, mas estou novamente saindo do principal.
Uma pessoa nascida no início deste século assistirá a profundas mudanças demográficas e ambientais ao longo de sua vida. Essas mudanças requerem novas respostas, inclusive da esquerda, para adaptar políticas progressistas de ontem à realidade do século 21. Mais foco em saúde e imigração, bem como reforma trabalhista, são temas inevitáveis.
Comentários CORRIGIR TEXTO