Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 24 de junho de 2020.
Dia da Indústria Gráfica.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 24 de junho de 2020.
Notícia da edição impressa de 24/06/2020.
Alterada em 24/06 às 00h45min
CORRIGIR

Prioridades na reabertura

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_cecilia_machado-8871013.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d7165916d', 'cd_midia':8871013, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/cecilia_machado-8871013.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Cecilia Machado', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO/FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Cecilia Machado', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_cecilia_machado-8871013.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d7165916d', 'cd_midia':8871013, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/cecilia_machado-8871013.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Cecilia Machado', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO/FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Cecilia Machado', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Economista, é professora da EPGE (Escola Brasileira de Economia e Finanças) da FGV
Em um país com cerca de 25% da população em idade escolar, é surpreendente constatar que o direcionamento de recursos emergenciais e os planos de relaxamento do distanciamento social deem tão pouca atenção às crianças e aos adolescentes. São 38 milhões de crianças de 0 a 13 anos e mais 12 milhões de jovens entre 14 e 17 anos.
É certo que o fechamento das escolas fez-se necessário no controle inicial da epidemia, mas, como agora já se discute a flexibilização das atividades econômicas em diversas cidades, causa estranheza manter as atividades escolares em segundo plano, especialmente devido à enorme ausência de planejamento na garantia do aprendizado remoto.
A MP 934, que flexibilizou o mínimo de dias letivos, passou longe de estabelecer critérios objetivos e parâmetros mínimos a serem cumpridos pelas escolas, mesmo em situações de excepcionalidade.
Investimentos educacionais exibem complementariedades, e pequenas adversidades no aprendizado têm enorme potencial para se propagar de forma permanente ao longo da vida escolar. Assim, negligenciar a atenção às crianças neste momento é impedir que elas desenvolvam, em toda a sua plenitude, seus potenciais produtivos.
Ainda mais curioso é o fato de a própria retomada das atividades econômicas depender, em grande parte, do retorno das escolas. De acordo com dados da PnadC de 2019, 44% da força de trabalho conta com a presença de crianças de até 14 anos de idade no domicílio. E 29% da força de trabalho encontra-se em domicílios com criança e sem a presença de adulto que possa ajudar -pessoa maior de 18 anos e fora do mercado de trabalho.
No limite, se todas as atividades voltassem a ser presenciais, mas as escolas permanecessem fechadas, 14% da força de trabalho não teria opção para o retorno -pois um adulto precisaria ficar em casa com a(s) criança(s), ainda que o segundo adulto pudesse retornar.
Isso sem contar que aqueles impossibilitados para o retorno têm raça, gênero e renda bem conhecidos, e planos de reabertura da economia sem as escolas apenas atuam para reforçar todas as nossas já existentes desigualdades.
É claro que a reabertura das escolas não vem sem custos, especialmente os epidemiológicos, pois as crianças podem ser vetores de transmissão do vírus. Mas é preciso deixar evidente que a ausência de planos para as crianças impõe custos econômicos, não apenas a curto prazo, através da oferta de trabalho de seus pais, como também a longo prazo, quando se tornam adultos em busca de oportunidades de emprego.
A educação feita de forma remota, ainda que possível, tem vindo com bastante prejuízo. Pesquisa de Raj Chetty e coautores, para os EUA, mostra que nem mesmo toda a abundância tecnológica americana conseguiu proteger o aprendizado dos mais pobres.
Usando dados de uma plataforma online, os autores encontram leve queda e rápida recuperação na proficiência em matemática dos alunos no quartil mais alto de renda, enquanto para aqueles no quartil inferior a queda foi de 50% e se manteve permanente.
Além da desigualdade de acesso à internet, mais prevalente em famílias pobres, o contexto brasileiro difere da experiência internacional em pelo menos mais uma dimensão: o fechamento das escolas atingiu o país no início do ano letivo, enquanto no hemisfério Norte apenas dois meses foram comprometidos. E o distanciamento social, antes temporário, começa a ganhar contornos intermitentes e sem prazo de validade.
Não é muito pedir um mínimo de continuidade no processo de aprendizagem das crianças, com objetivos e metas previsíveis, com a garantia de recursos materiais para alcançá-los e o estabelecimento de protocolos de segurança em caso de retorno às aulas presenciais.
Elas, que já não são o foco das inúmeras rubricas do Orçamento de guerra, não podem também ser relegadas a um segundo plano no processo de reabertura.
Comentários