Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 23 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 12/12/2019.
Alterada em 11/12 às 21h37min

Uma banana para Marx

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_helio_beltrao-8871105.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d77f66e9d', 'cd_midia':8871105, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/helio_beltrao-8871105.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Helio Beltrão', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Helio Beltrão', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_helio_beltrao-8871105.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4d77f66e9d', 'cd_midia':8871105, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/helio_beltrao-8871105.jpg', 'ds_midia': 'Opinião Econômica - Helio Beltrão', 'ds_midia_credi': 'ARQUIVO FOLHAPRESS/ARTE JC', 'ds_midia_titlo': 'Opinião Econômica - Helio Beltrão', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Engenheiro com especialização em finanças e MBA na Universidade Columbia, é presidente do Instituto Mises Brasil
A década acaba em poucos dias e seu legado pode ser provisoriamente avaliado. Entre os destaques figuram: inteligência artificial, machine learning, internet das coisas, computação em nuvem e big data; mobilidade, Uber e carros elétricos; energia solar; crypto-moedas; conectividade social e influenciadores; falência do modelo estatal de previdência, saúde e educação; juros mais baixos em 5.000 anos; bem-estar, qualidade de vida e longevidade; desapego material e busca de propósito.
Em cultura, a década tem como desfecho o objeto de arte conceitual "Comedian", do irreverente artista italiano Maurizio Catellan. A obra exibida na feira Art Basel de Miami consiste em uma banana presa à parede com fita adesiva. A banana exibida é uma "cópia" de uma edição de três, cada qual colocada à venda por exorbitantes US$ 120 mil.
O controverso Catellan é o autor da enorme escultura em carrara da Piazza degli Affari em Milão, denominada L.O.V.E. (liberdade, ódio, vingança, eternidade), que consiste em uma mão espalmada na vertical com a saudação fascista, com todos os dedos removidos, exceto o médio.
A cópia exposta de Comedian já havia sido vendida a um casal de Miami quando o artista performático David Datuna entrou na badalada fila de selfies e comeu a banana! Denominou tal obra performática "Hungry" (ou "Faminto"). Datuna fez chacota com o comediante.
Afinal qual o valor objetivo de uma obra de arte?
Há no mercado de arte uma cadeia de valor, por meio da qual galeristas, colecionadores e consultores monetizam controvérsias e manipulam a imagem do artista com o objetivo final de que sua obra venha a compor o acervo dos renomados museus, quando o valor se estabiliza em alto patamar. O mercado é baseado em branding, similar ao que promovem grifes como a Chanel. Não é coincidência que o colecionador mais famoso do mundo é Charles Saatchi, mestre em branding. O novo artista que passa a integrar sua coleção multiplica de valor.
Damien Hirst é o artista vivo mais rico, com fortuna acima de US$300 milhões. Ele compreendeu que o valor é subjetivo; em última instância o comprador o valida. Hirst já afirmou que os comerciantes de arte "vendem excremento para tolos"; ele tem prazer em contribuir com o seu.
Aquele que acredita que obras de arte contemporânea possuem valor objetivo não entendeu o mecanismo deste mercado. Na arte de hoje, beleza estética e destreza manual são menos importantes que o conceito da obra e sua importância na narrativa cultural. Como o dinheiro, a arte é cada vez mais conceitual e menos física. E assim como o dinheiro, a arte vale o que pode beneficiar seu dono, independente de sua matéria intrínseca, papel ou banana.
O professor Jesus Huerta de Soto demonstra isto ao rasgar uma nota de 20 euros, para horror de seus incrédulos alunos. Os alunos mentalizam a destruição do que a nota poderia comprar.
Cada vez mais o prazer estético pessoal fica subordinado ao direito de contar vantagem. Basta possuir na parede objeto que os sofisticados e bem-sucedidos admiram. Por isso, o trampolim mais eficaz para o novo-rico é investir em arte de primeira linha, em uma espécie de lavagem de sua história.
O casal que comprou Comedian entende o risco, mas julga que "se tornará um objeto icônico e histórico". Foi o que ocorreu há 100 anos com "Fountain", o urinol do genial Marcel Duchamp, um readymade conceitual em provocação aos organizadores de uma exposição. Cinquenta anos depois, 16 réplicas foram encomendadas a Duchamp, e hoje valem mais de US$ 2 milhões cada uma!
Marx acreditava que o valor resultava do trabalho incorrido. O mercado de arte o refuta todos os dias.
Comentários CORRIGIR TEXTO