Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 25 de julho de 2020.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 25 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 22/10/2019.
Alterada em 21/10 às 21h35min

Rabino Alpern

ARQUIVO FOLHAPRESS/ARTE JC
ARQUIVO FOLHAPRESS/ARTE JC
No dia 11 de novembro, na Hebraica, meu rabino, o grande rabino Alpern, realiza o leilão de arte do ano. Ele reuniu um inacreditável acervo de obras da mais alta qualidade com a curadoria de Pedro Mastrobuono, que vão a leilão com um delta para o lindo Projeto Felicidade do meu querido rabino.
Por meio desse projeto, ele traz crianças que tem câncer a São Paulo e lhes proporciona uma semana de imensa alegria, uma semana memorável.
Para uma criança que vive esse desafio da vida, esse momento lúdico de felicidade tem consequências maravilhosas de alegria e de esperança.
O rabino Alpern é baixinho, americano, fofo. E lá vai ele pedindo dinheiro para as suas obras assistenciais. Eu adoro que ele pede mesmo. E eu me lembro de Irmã Dulce, que pedia mesmo.
Deus diz na Bíblia: Do que adianta a fé sem obras?
O grande líder espírita da Bahia e do Brasil Divaldo Franco é um grande empreendedor. O empresário Henrique Prata, do Hospital do Amor de Barretos, é um grande empreendedor. É essa fé empreendedora de rabinos, de freiras, de pastores, de irmãs, de monges budistas (e também de empresários e empresárias de fé) que constrói a humanidade. 
A Universidade Harvard foi fundada por pastores protestantes e hoje ela é o templo mundial do conhecimento.
Estou tentando que a Harvard Business School faça um case de empreendedorismo da fé sobre essa rabina chamada Irmã Dulce.
Jesus, Maria, José e a Sagrada Família eram todos judeus. Deus é um só. Ele tem nomes diferentes, mas Ele é a fé inquebrantável que move homens e mulheres a fazerem coisas divinas. São seres incansáveis como esse rabino, que me mostra a sua sinagoga feliz e que me convoca a ajudá-lo, a ajudar as suas crianças.
São homens e mulheres que removem montanhas. Uma fé que faz coisas gigantes. Ela fez o Hospital Sírio-Libanês, fez o Hospital Albert Einstein. E pelo mundo inteiro fez creches, conventos, hospícios, sanatórios, orfanatos...
Quando disse que Irmã Dulce era empreendedora, houve desconforto em setores conservadores que acham que esses assuntos não são da religião e que religiosos são pessoas quase desocupadas que ficam soltando pombas.
Mas santos trabalham e muito. Olha como o Martin Luther King trabalhava ou o que o Dalai Lama realiza.
O amor bate ponto, o amor é operário. O amor trabalha, dia e noite.
E trabalha entusiasmado, apesar de ser mal pago e tantas vezes operar nas piores condições do mundo.
Um dia um milionário americano disse a uma freira que cuidava de leprosos no Oriente: "Irmã, eu não faria o que a senhora faz por dinheiro nenhum do mundo". E a freira replicou: "Eu também não, meu filho".
Rabino Alpern, são empreendedores da fé como o senhor que constroem a humanidade. Como diz o dito popular: mente desocupada é a morada do diabo.
E desse mal o senhor não sofre. Porque diariamente almas obreiras e santas como a sua correm atrás de recursos para ajudar pessoas necessitadas, vivendo angustiadas a cada fim de mês com os custos da obra divina.
A cada fim de mês o amor precisa trabalhar em dobro porque o amor não é desocupado. Ele precisa multiplicar os pães porque tem milhares de bocas para alimentar e milhares de almas para confortar.
Empreendedor, fundador do Grupo ABC
Comentários CORRIGIR TEXTO