Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Opinião Econômica: Marcia Dessen
Marcia Dessen

Opinião Econômica

Edição impressa de 23/07/2018. Alterada em 22/07 às 22h06min

Retrovisor ou bola de cristal

Jota me escreveu com um simpático puxão de orelha. Ele concorda com o conselho de não investir olhando o rendimento passado, já que nada e ninguém garante que o rendimento dos próximos meses será o mesmo dos anteriores.
Se olhar para o passado não é uma boa ideia e ninguém tem bola de cristal para adivinhar o futuro - esse é o X da questão -, "como escolher um fundo ou o título mais adequado para investir?", pergunta Jota.
Vou tentar explicar o "como" me limitando às opções da renda fixa e usando os títulos públicos (Tesouro Direto) como exemplo. Começo lembrando que quem investe em renda fixa empresta dinheiro para alguém e recebe juros em troca. A primeira decisão é, portanto, para quem emprestar dinheiro. O risco de calote existe (risco de crédito). Quanto maior a probabilidade, maior será a taxa de juros.
Nesse contexto, o exemplo dos títulos públicos é perfeito porque são considerados livres do risco de crédito. Assim, a taxa de juros que o Tesouro Nacional paga deve ser a mínima desejada pelo investidor.
Os títulos públicos (e privados) pagam três tipos de juros, e essa será a segunda escolha do investidor.
A pós-fixada acompanha a variação da taxa Selic. O retorno absoluto (7%, 8,2% ou 9%) só será conhecido ao final da operação, por isso taxa pós-fixada.
O título Tesouro Selic paga esse tipo de juros e será a escolha dos que querem ganhar a taxa de mercado, seja ela qual for. A rentabilidade desse título será sempre positiva.
O Tesouro Prefixado paga taxa de juros prefixada. Em 19 de julho esse título, com vencimento em 2025, pagava 11,12% ao ano. Quem acha (é aqui que entra a bola de cristal) que a taxa Selic média entre julho de 2018 e janeiro de 2025 será inferior tende a escolher esse título. Quem acha o contrário ou não acha nada há de preferir o Tesouro Selic.
Entre a data da compra e o resgate, esse título se valoriza se a taxa de juros desse vencimento (2025) cai e se desvaloriza se a taxa sobe. No vencimento o investidor receberá o que negociou (11,12% ao ano).
O Tesouro IPCA será a melhor escolha para proteger o capital contra a inflação. É um título mais longo que paga a variação do IPCA mais uma taxa de juros pré. Em 19 de julho esse título, vencimento em 15/5/2035, pagava juros de 5,83% ao ano.
Entre a data da compra e o resgate esse título se valoriza se a taxa de juros (5,83%) desse vencimento (2035) cai e se desvaloriza se a taxa sobe. No vencimento o investidor receberá o que negociou (IPCA 5,83% ao ano).
Os fundos, por sua vez, são classificados conforme a política de investimento. Os fundos DI compram títulos de taxa pós-fixada. Os fundos Renda Fixa compram títulos de taxa pós ou pré. Ganham quando a taxa pré cai e perdem quando a taxa sobe.
Os fundos Renda Fixa Inflação compram títulos atrelados a índices de inflação. Como são mais longos, a volatilidade se amplia, e os ganhos e as perdas também.
A escolha do título ou fundo mais adequado deve respeitar o objetivo, o horizonte de tempo, a expectativa em relação ao futuro (por mais difícil que isso possa ser) e o nível de tolerância a risco do investidor.
No Tesouro Direto o investidor escolhe os títulos sozinho. Nos fundos, essa responsabilidade é do gestor, observada a política de investimento do fundo.
Como não temos bola de cristal (nem os gestores têm), diversificar é sempre uma boa estratégia. Podemos não acertar todas, mas a escolha será coerente com nossas expectativas e não decidiremos às cegas.
Planejadora financeira, autora de Finanças Pessoais: O Que Fazer com Meu Dinheiro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia