Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 19 de julho de 2018.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Opinião Econômica: Laura Carvalho
Laura Carvalho

Opinião Econômica

Edição impressa de 19/07/2018. Alterada em 18/07 às 23h08min

O bolão do PIB

A desilusão com a economia brasileira consegue ser ainda maior do que a decepção com o desempenho da nossa seleção na copa do mundo da Rússia. Instituições financeiras nacionais, que chegaram a prever Brasil e Inglaterra na final, tiveram de reduzir substancialmente suas expectativas de crescimento do PIB nas últimas semanas.
Agora chegou a vez do FMI (Fundo Monetário Internacional), que em relatório de atualização do World Economic Outlook (WEO) publicado na segunda-feira (16), reduziu em 0,5 ponto percentual a projeção de crescimento do Brasil para 2018. Chama a atenção o fato da expectativa para este ano ter subido de 1,5% no relatório de outubro de 2017 para 2,3% no relatório de abril de 2018, e então voltar a 1,8% nesta última atualização.
Enquanto isso, o crescimento previsto para o conjunto das economias emergentes oscilou apenas de 4,8% para 4,9% no mesmo período.
Uma análise mais detalhada dos relatórios desde o início da crise sugere, no entanto, que os erros para o Brasil têm sido frequentemente maiores do que para as economias sujeitas a choques similares.
Se tomarmos como exemplo o ano de 2015, vê-se que a projeção para o crescimento nos preços de petróleo passou de 6% no relatório de abril de 2014 para -3,3% em outubro de 2014, -39,6% em abril de 2015 e -46,4% em outubro de 2015. A queda nesses preços acabou sendo de 47,2%.
Consequentemente, a projeção de crescimento das economias exportadoras de petróleo caiu de 3,9% para 0,1% entre abril de 2014 e outubro de 2015.
Mas, no Brasil, a frustração de expectativas foi maior: de 2,7% em abril de 2014 para 1,4% em outubro de 2014, -1% em abril de 2015 e -3% em outubro de 2015. Como sabemos, a queda do PIB foi de 3,5%.
Em abril de 2015, as previsões eram de que o Brasil cresceria 1% em 2016, ante 2,3% de crescimento das economias exportadoras de petróleo.
O PIB neste último grupo acabou crescendo 1,8%, e o PIB brasileiro caiu 3,5%. Por fim, em 2017, os preços de petróleo passaram a surpreender positivamente, e a economia brasileira também.
Nosso PIB cresceu 1%, ante 0% esperado em abril de 2016, tendo contado também com a ajuda de uma supersafra agrícola e do efeito sobre o consumo da liberação de FGTS e PIS/Pasep.
Diante de uma alta na projeção de crescimento dos preços de petróleo de 2018, de -0,3% em abril de 2017 para 18% em abril de 2018 e 33% em julho, a expectativa de crescimento do PIB subiu na maior parte dos países exportadores líquidos de petróleo no último relatório.
Em meio à alta no preço das commodities, as justificativas apresentadas pelo FMI para a piora nas perspectivas para o Brasil para este ano vão desde a desvalorização do real à greve dos caminhoneiros.
As revisões para baixo também ocorreram nas projeções do PIB argentino e indiano -países cujas moedas também vêm sofrendo impactos da reversão dos fluxos de capitais financeiros internacionais.
Mas assim como no caso dos erros de projeção de crescimento dos países da periferia europeia no pós-crise -já reconhecidos pelo FMI como oriundos da subestimação dos efeitos dos cortes de gastos e investimentos públicos-, a frequência e a magnitude das revisões de projeção de PIB no caso brasileiro põe em xeque os pressupostos dos modelos usados. Para além dos choques externos e das incertezas políticas, a política econômica importa.
Professora da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP, autora de "Valsa Brasileira: do Boom ao Caos Econômico"
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Evandro Colares 19/07/2018 08h08min
Muito qualificada a opinião de Laura Carvalho. Espero ler mais colunas dela no JC.