Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de maio de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 20 de maio de 2020.

Alterada em 20/05 às 21h21min
CORRIGIR

Um vírus e a imposição da solidariedade

Por Dom Jaime Spengler, arcebispo metropolitano de Porto Alegre e primeiro vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)
Por Dom Jaime Spengler, arcebispo metropolitano de Porto Alegre e primeiro vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)
“Tudo está interligado”! Esta afirmação do Papa Francisco, em sua Encíclica “Laudato Si´” (2015), embora, quando de sua publicação, tenha causado estranheza, se mostra de grande atualidade, especialmente diante da crise que o mundo está experimentando à causa de um vírus.
Impôs-se de forma inesperada uma nebulosidade sobre nações e povos, provocando graves preocupações: quais as verdadeiras dimensões da crise estabelecida pela pandemia do coronavírus? Quantos estão sendo atingidos? Quem, se infectado, pode encontrar um sistema de saúde à altura de responder às próprias necessidades? Os poderes públicos estão respondendo aos desafios que se impõe? Como responder e quem responde ou responderá pelas escolhas que, em algumas regiões, provavelmente se impõem aos profissionais da saúde entre aqueles que podem receber o atendimento necessário e os que não recebem, pois faltam condições mínimas para atender a todos adequadamente? Quantos ainda morrerão atingidos pelo vírus?
O ser humano, após essa crise, continuará certamente vivendo na Terra, como também sendo mortal e frágil. Também, provavelmente, o vírus, segundo a ciência, continuará presente no meio ambiente. Este minúsculo ser subverteu a ordem mundial em suas dimensões social, política, econômica e também religiosa.
A tradição cristã recorda a importância de obras que dizem respeito ao cuidado e a promoção da vida, qual caminho de salvação. Recorda também o necessário cuidado da casa comum nas suas diversas dimensões: corpo humano físico, familiar e social, e o meio ambiente.
Recorde-se que o seguimento de Jesus não se reduz a um problema da espiritualidade. Ele pressupõe o empenho e determinação na tarefa de construir a fraternidade humana, fundamentada na justiça e na paz.
É urgente e imperiosa a necessidade de planejar o futuro. A esperança cristã se torna uma necessidade vital. Ela “é sempre essencialmente esperança para os outros; só assim é verdadeiramente esperança também para mim” (Bento XVI), afinal habitamos a Terra e continuaremos frágeis e mortais.
Sustentados pela fé, capazes de caridade e animados pela esperança colaboramos para deixar o mundo um pouco melhor para aqueles que virão depois de nós.
TelePaz é o novo serviço da Igreja - Desde a segunda-feira (17), a Igreja Católica em Porto Alegre oferece o TelePaz, serviço telefônico que busca atender todos que desejam um momento para expressar as preocupações trazidas pela pandemia do novo coronavírus (COVID-19) e uma companhia para rezar. Com apoio e suporte técnico da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), a iniciativa atende de segunda a domingo, das 9h às 12h, das 15h às 19h e das 20h às 23h, aberta a todos os interessados por meio do telefone (51) 3320-3800. O TelePaz não tem caráter de aconselhamento, dedicando-se apenas à escuta e oração. Os atendimentos são realizados por pessoas vinculadas à Igreja Católica e com experiência neste tipo de acolhimento, prestando conforto a quem necessitar de amparo e apoio espiritual. As ligações não são gravadas e são mantidas em sigilo.
Cinco anos da Laudato Sí, do Papa Francisco - Neste mês de maio a Encíclica “Laudato Sí”, sobre o cuidado com a Casa Comum, do Papa Francisco, completa cinco anos. No Brasil e no mundo, diversas iniciativas estão sendo preparadas para o momento de celebração do documento que convida a refletir sobre o futuro do planeta. No Brasil, a Igreja Católica realiza, até o dia 25 de maio, promoção da Comissão Episcopal Pastoral Especial para Ecologia Integral e Mineração (CEEM) e Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a ‘Semana Laudato Si’, 5 anos: Ecologia Integral e Mineração’. É possível acompanhar as ações pela página da CNBB no Facebook (@cnbbnacional) e no YouTube (CNBBNacionalBrasilia). Durante esses dias, a comissão vai realizar debates temáticos diários sobre a encíclica com representantes da comissão, professores e pesquisadores, membros do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC), Conselho Indigenista Missionário (CIMI), Comissão Pastoral da Terra (CPT) e da Comissão Pastoral da Pesca (CPP). No dia 24, às 8h, o arcebispo de Belo Horizonte (MG) e presidente da CNBB, dom Walmor Oliveira de Azevedo, preside a celebração da Eucaristia na Basílica Nossa Senhora da Piedade pelos cinco anos da ‘Laudato Si’. Já o encerramento, dia 25, será direto de Brumadinho (MG), onde o bispo auxiliar de BH e membro da comissão, dom Vicente Ferreira, vai presidir a Santa Missa, às 18h.
Centenário João Paulo II - O Papa Francisco celebrou na segunda-feira (18), na Basílica de São Pedro, na Capela onde se encontra o túmulo do São João Paulo II, o centenário do nascimento do Papa polonês. Na homilia, afirmou que Deus visitou o seu povo enviando o Papa Wojtyla para guiar a Igreja e ressaltou três traços da sua personalidade: a oração, a proximidade às pessoas e um sentido pleno de justiça que jamais se pode separar da misericórdia. “São João Paulo II era um homem de Deus porque rezava e rezava muito”, apesar do muito trabalho que tinha para guiar a Igreja. Ao término da Missa, Francisco pediu a Deus que suscite em nós “a chama da caridade que alimentou incessantemente a vida de São João Paulo II” e “o impeliu a gastar-se” pela Igreja.
Comentários
Dom Jaime Spengler
Dom Jaime Spengler
A Arquidiocese de Porto Alegre renova sua tradicional coluna no Jornal do Comércio, antes intitulada "A Voz do Pastor", e passa a chamá-la "Olhar da Fé", com publicação exclusiva na versão online do veículo. Todas as quintas-feiras, Dom Jaime Spengler, arcebispo de Porto Alegre, ou um dos bispos auxiliares trarão a visão do sagrado sobre temas importantes para a sociedade.