Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 22 de julho de 2020.
22/01/2020 - 16h05min.
Alterada em 22/01 às 16h05min

Cuidado e bom senso

Por Dom Jaime Spengler, arcebispo metropolitano de Porto Alegre e primeiro vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)
Por Dom Jaime Spengler, arcebispo metropolitano de Porto Alegre e primeiro vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)
A tarefa de cuidar e melhorar o mundo para as futuras gerações, requer de todos mudanças profundas nos estilos de vida, nos modelos de produção e de consumo, nas estruturas consolidadas de poder que regem a sociedade. Trata-se de uma tarefa que exige bom senso, determinação e coragem.
A tradição bíblica ensina a ver o ser humano como protagonista de um processo no qual ele é receptor de favores e sujeito ativo de decisões que determinam o sentido de seu próprio ser. Ele é destinado a cuidar do meio ambiente. O cuidado é o suporte vital da liberdade, da inteligência e da criatividade. No desenvolvimento da obra do cuidado é possível colher os princípios, os valores e as atitudes que proporcionam o con-viver e o bem-viver.
A Casa Comum, com tudo aquilo que ela oferece generosamente para uma vida digna para todos, clama por cuidado. Cuidado para com as pessoas, culturas, biomas, plantas, águas, ar, animais, enfim, cuidado com a Terra.
A sociedade moderna consome grande quantidade de energia. Os combustíveis fósseis, como petróleo e carvão, têm sido a grande fonte de energia para suprir as necessidades da indústria.
Há sérias razões para buscar fontes alternativas de energia. O carvão mineral, por exemplo, é altamente poluente. Prejudica o meio ambiente desde a sua extração até a produção de seus subprodutos. É uma fonte de energia não renovável. O processo de sua combustão provoca emissão de gases poluentes na atmosfera, agravando o efeito estufa.
Está em discussão a exploração de carvão mineral às margens do Rio Jacuí, na região de Eldorado do Sul e às portas da cidade de Porto Alegre. Existem sérias objeções a respeito dessa iniciativa. Riscos de contaminação do solo, do ar e da água são reais. O viés econômico não pode ser o único critério para determinar a exploração ou não da mina. Certamente os avanços tecnológicos oferecem possibilidade de operações sempre mais confiáveis. Contudo há sempre uma conta ambiental a ser paga, além do impacto sobre a natureza e a saúde das pessoas que moram na região para usufruir de possíveis e questionáveis ganhos econômicos. Total segurança é algo impossível. Ninguém de bom senso é capaz de afirmar com absoluta segurança que a exploração é ambientalmente segura.
O cuidado promove e salva a vida. Nosso dever comum é dela cuidar e promover.
Ação Social Paróquia São Jorge - A Paróquia São Jorge, localizada no bairro Partenon, em Porto Alegre, realiza ação social por meio do Centro Social Padre Paulo Scopel, fundado em 2017 e que atende, mensalmente, cerca de 500 pessoas carentes. São 100 famílias cadastradas que moram no território paroquial e arredores que recebem cestas básicas de acordo com o tamanho da família no início de cada mês. Os alimentos são arrecadados pela paróquia nas missas e também por meio de doações. A paróquia também mantém uma ajuda emergencial de alimentos, que atende semanalmente algumas famílias que buscam auxílio junto à paróquia. As segundas-feiras são dedicadas para a doação de roupas aos necessitados no salão paroquial. Terças e quintas são os dias em que é realizado brechó, com renda revertida para as atividades de atendimento do Centro Social. Outra ação da Paróquia São Jorge é a de arrecadação de tampinhas plásticas, que são separadas por cor e vendidas, gerando receita para as ações sociais de atendimento aos necessitados. Em 2019, a paróquia iniciou uma nova etapa, atendendo também pessoas em situação de rua. No último sábado de cada mês, os voluntários da ação social realizam um almoço embaixo do viaduto que fica ao lado da igreja, na Av. Bento Gonçalves, fornecendo refeição para cerca de 40 pessoas. Mesas e cadeiras são colocadas a fim de tornar mais confortável as refeições, que são preparadas com alimentos doados pelos próprios voluntários. A Paróquia São Jorge também fornece de forma gratuita atendimento jurídico e psicológico, prestado por profissionais voluntários, além de proporcionar aulas de reforço escolar a crianças. Também são desenvolvidas atividades de culinária com receitas de baixo custo, visando o aproveitamento de partes de alimentos que normalmente são descartados, como cascas e talos. Há ainda a confecção de sacolas de tecidos para as famílias que recebem as cestas básicas, para diminuir o uso das sacolas plásticas e ajudar na sustentabilidade ecológica. A comunidade Menino Jesus de Praga também realiza o atendimento infantil por meio da Pastoral da Criança, que promove palestras sobre higiene e saúde, além da pesagem e acompanhamento.
Retiro de Integração Humano-Espiritual - Seguem abertas as inscrições para o Retiro de Integração Humano-Espiritual para presbíteros, diáconos, religiosos e religiosas e também leigos, no Centro de Espiritualidade Cristo Rei (Cecrei), em São Leopoldo. "O antropocentrismo do mundo pós-moderno gera um estilo de vida desordenado (CF. LS). As grandes transformações desafiam os cristãos a anunciar e a testemunhar os valores do Reino", inspirado nos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola e na psicologia do profundo, o retiro tem como objetivo favorecer uma melhor qualidade de vida e do ministério sacerdotal. Condições para que os participantes realizem um processo de integração humano-espiritual. O retiro será realizado de 13 a 17 de abril de 2020, sob a orientação do Pe. João Renato Eidt, SJ e da Ir. Maria Luiza Morschel, SND. Mais informações acesse (https://cecrei.org.br/retiro-para-presbiteros/) ou ligue (51) 3081-4200.
Desigualdade Social e Econômica - Em concomitância com o Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que iniciou na terça (21) e encerra nesta sexta-feira (24), a Organização humanitária Oxfam lançou “Time to care – Tempo de cuidar”, o novo relatório sobre as desigualdades sociais e econômicas no mundo. Segundo o documento, em 2019, os bilionários do mundo, que somam apenas 2.153 indivíduos, detinham mais riqueza do que 4,6 bilhões de pessoas. A fortuna de 1% dos mais ricos "corresponde a mais do que o dobro da riqueza acumulada" por 6,9 bilhões de pessoas, ou seja, 92% da população mundial, uma concentração que "excede a dívida total dos países", diz o relatório. Para a Organização humanitária Oxfam, esse grande abismo baseia-se em um sistema econômico sexista e falho, que valoriza mais a riqueza de um grupo de poucos privilegiados, na sua maioria homens, do que bilhões de horas dedicadas ao trabalho mais essencial – o do cuidado não remunerado e mal pago, prestado principalmente por mulheres e meninas em todo o mundo. "As mulheres estão na linha de frente das desigualdades por causa de um sistema econômico que as discrimina e as concentra em trabalhos mais precários e menos remunerados, começando pelo setor de atendimento", diz Pauline Leclère, da porta-voz da Oxfam France, citada em comunicado. Segundo os cálculos do relatório Oxfam, 42% das mulheres no mundo não podem ter um trabalho remunerado devido a carga muito grande de trabalho de cuidados no âmbito privado ou familiar, frente a somente 6% dos homens. Embora cuidar de outras pessoas, cozinhar ou limpar sejam tarefas essenciais "a pesada e desigual responsabilidade pelo trabalho de cuidar das pessoas que recai sobre as mulheres perpetua tanto as desigualdades econômicas quanto as de gênero".
Comentários CORRIGIR TEXTO