Porto Alegre, segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Digital

- Publicada em 17h21min, 18/02/2021. Atualizada em 14h11min, 22/02/2021.

Gaúchos estão buscando mais empréstimos para empreender, aponta Lendico

Ramalho cita investimento de R$ 1 milhão em boleto parcelado, serviço lançado no final do ano

Ramalho cita investimento de R$ 1 milhão em boleto parcelado, serviço lançado no final do ano


Lendico/Divulgação/JC
O empreendedorismo e o pagamento de dívidas são os principais motivos que estão levando os brasileiros a solicitarem crédito em janeiro de 2021.
O empreendedorismo e o pagamento de dívidas são os principais motivos que estão levando os brasileiros a solicitarem crédito em janeiro de 2021.
Do total de pedidos no mês feitos pela Lendico, fintech especializada em empréstimo pessoal on-line, 42% dos foram para o pagamento de dívidas e 25% para investir em um novo negócio ou na própria empresa. Na terceira posição, aparece o investimento na casa como motivo mais recorrente entre os pedidos de ajuda financeira, responsável por 14% das solicitações em janeiro deste ano, uma elevação de 16% nos últimos 12 meses.
No Rio Grande do Sul, a motivação de empréstimos para empreender apresentou crescimento de 14%, quando comparado ao mesmo período de 2020. Em contrapartida, os pedidos para pagamento de dívidas caíram 12% na comparação anual.
O CEO da Lendico, Marcelo Ramalho, explica que, tradicionalmente, o motivo que puxa os pedidos de empréstimos é o pagamento de dívidas, ou melhor, neste caso, é a troca de uma dívida mais cara por outra mais barata, para melhorar o planejamento financeiro. Mas, até mesmo isso o cenário de pandemia mudou.
“No ano passado, as pessoas retardaram investimentos, alguns negócios tiveram fluxo de caixa afetado e agora, com a perspectiva da vacina e da retomada econômica, elas estão buscando novamente recursos para os seus negócios”, comenta.
A Lendico é uma fintech de empréstimo pessoal que começou sua jornada em 2015 com a proposta de oferecer um modelo desburocratizado e com taxas personalizadas para cada cliente. Todo processo é feito de forma on-line, desde o envio das documentações até a aprovação do crédito.
"A análise é rápida e, depois de passar pelo sistema anti-fraude, o cliente recebe o dinheiro sem burocracia, muitas vezes no mesmo dia”, diz Ramalho. Segundo ele, a avaliação do crédito é feita com base em Inteligência Artificial e no expertise de cinco anos da Lendico na concessão de empréstimos. Além disso, a ferramenta calcula uma taxa customizada ao perfil de cada cliente, que pode variar de 1,9% até 10%, dependendo do risco de cada pessoa.
Além do serviço de empréstimo pessoal, uma novidade da fintech que deve avançar nesse ano é o boleto parcelado Lendico, lançado em outubro do ano passado. “É uma oferta muito sintonizada com o momento atual, pois permite que o cliente que não tem cartão de crédito possa comprar produtos on-line de forma financiada”, explica o Ramalho.
Ao fazer a compra virtual e se encaminhar para o checkout no site, o usuário terá a opção de escolher a opção ‘comprar com boleto parcelado’. Depois de uma rápida análise de crédito, a compra está concluída. Já são mais de dez parceiros que aceitam essa modalidade, como a loja virtual da Motorola, e a meta é expandir para novas plataformas de e-commerce nos próximos meses.
O investimento nessa oferta foi de R$ 1 milhão em 2020. A empresa possui um investidor único, um fundo de private equity americano, que provê todo capital. Não há expectativa por enquanto de fazer captação de venture capital, prática adotada pela maior parte das startups.
A projeção da fintech é positiva para esse ano. “Tínhamos planos ambiciosos em 2020 que foram, de certa forma, afetados pela pandemia. Mas, agora, prevemos um crescimento agressivo em 2012. Só no negócio de empréstimo pessoal a meta é dobrar o volume emprestado”, relata Ramalho.
Comentários CORRIGIR TEXTO