Porto Alegre, quinta-feira, 17 de setembro de 2020.
Dia do Transportador Rodoviário de Carga.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 17 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Digital

- Publicada em 14h52min, 14/09/2020. Atualizada em 17h49min, 17/09/2020.

Com Techfuturo, Rio Grande do Sul vai aportar R$ 5,6 milhões para negócios inovadores

Lamb diz que edital, que conta com R$ 2 milhões do Sebrae-RS, vai ajudar a transformar matriz econômica

Lamb diz que edital, que conta com R$ 2 milhões do Sebrae-RS, vai ajudar a transformar matriz econômica


LUIZA PRADO/JC
Os produtos e soluções inovadores de empresas que usam tecnologias portadoras de futuro como Inteligência Artificial, Blockchain e Internet das Coisas para transformar a matriz produtiva gaúcha terão um incentivo de R$ 5,6 milhões.
Os produtos e soluções inovadores de empresas que usam tecnologias portadoras de futuro como Inteligência Artificial, Blockchain e Internet das Coisas para transformar a matriz produtiva gaúcha terão um incentivo de R$ 5,6 milhões.
O edital Techfuturo, apresentado nesta segunda-feira pela Secretaria de Inovação, Ciência e Tecnologia (SICT), já está aberto e as submissões dos projetos podem ser feitas até 29 de outubro. No dia 16 de dezembro será divulgada a lista final das contratadas.
“Queremos que as propostas apresentadas se tornem contribuições que gerem valor econômico e que contribuam para a matriz econômica destas empresas e do Estado. Vamos transferir tecnologia para a produção gaúcha”, comenta o líder da SICT, Luis Lamb. O edital conta com a parceria da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (Fapergs) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Rio Grande do Sul (Sebrae/RS) – a instituição aportará R$ 2 milhões, que se somam aos 3,6 milhões de recursos do Estado.
Os projetos terão que ser realizados pela iniciativa privada em parceria com centros de tecnologia e universidades. “Vamos aproximar as empresas das universidades para gerar riqueza e qualidade de vida para a nossa população”, aponta Lamb.
Durante a apresentação do Techfuturo, o governador Eduardo Leite destacou o fato de a economia global estar profundamente alterada e exigindo uma atenção redobrada para as inovações. “Precisamos estar conectados com o que está acontecendo no mundo. Estamos aqui para dar suporte ao setor privado e academia financiando iniciativas que visam modernizar tecnologias de produção para aumentar a competitividade”, diz.
São três categorias de projetos: médias e grandes empresas (que poderão buscar até R$ 300 mil), inovação aberta (até R$ 200 mil) e micro e pequenas empresas (até R$ 100 mil). Em todas elas, as companhias terão que dar contrapartidas financeiras, de 30%, 10% e 5% respectivamente.
Lamb conta que o edital de tecnologias portadoras de futuro teve como base um estudo feito em 2018 pelo Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia e atualizações que foram sendo feitas desde lá. A iniciativa vai contemplar setores econômicos estratégicos com agroindústria, metalomecânico, saúde, educação, games, celulose, eletroeletrônico, entre outros.
“O Techfuturo está alinhado com uma política de inovação moderna, focada nos setores estratégicos para a evolução das matrizes econômicas”, relata Lamb.
O diretor-superintendente do Sebrae/RS, André Godoy, destacou o fato de o governo do Estado estar apoiando a inovação em meio a um cenário tão desafiador. “Vivemos uma época difícil, de crise fiscal sem precedentes, mas o governo enxergou que o desenvolvimento de empresas de base tecnológicas é um caminho para a superação da crise”, diz.
Segundo ele, essa é mais uma iniciativa que o Sebrae-RS se une para incentivar os negócios de base tecnológica e levar inovação para o Rio Grande do Sul. “Queremos aumentar a participação das pequenas empresas no PIB gaúcho e isso se faz agregando valor aos produtos e serviços”, comenta.
Para o diretor presidente da Fapergs, Odir Dellagostin, a pesquisa e a inovação precisam fazer parte da estratégia central para o desenvolvimento. “O Techfuturo vai apoiar o trabalho de pesquisa e inovação desenvolvido nas empresas com aqueles que estão sendo feito nas universidades. É uma importante ação e daremos continuidade a essa e a outras iniciativas se tivermos recursos financeiros para isso”, disse.
Comentários CORRIGIR TEXTO