Porto Alegre, terça-feira, 01 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 01 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

- Publicada em 17h10min, 31/08/2020. Atualizada em 19h54min, 01/09/2020.

Software agiliza coleta de amostras de Covid-19 em empresas

Com aplicativo, expectativa é chegar a 5 mil exames registrados por dia

Com aplicativo, expectativa é chegar a 5 mil exames registrados por dia


Fundação Certi/Divulgação/JC
A realização em massa dos testes para detectar Covid-19 não tem sido uma tarefa fácil no Brasil, país com grande extensão territorial e uma população numerosa nos grandes centros urbanos. O mesmo desafio se apresenta nas empresas, que precisam fazer as coletas de todos os seus funcionários, conseguir isolar rapidamente os casos positivos e, desta forma, evitar cenários mais complexos, como o fechamento de indústrias, supermercados e frigoríficos.
A realização em massa dos testes para detectar Covid-19 não tem sido uma tarefa fácil no Brasil, país com grande extensão territorial e uma população numerosa nos grandes centros urbanos. O mesmo desafio se apresenta nas empresas, que precisam fazer as coletas de todos os seus funcionários, conseguir isolar rapidamente os casos positivos e, desta forma, evitar cenários mais complexos, como o fechamento de indústrias, supermercados e frigoríficos.
Foi especialmente para endereçar esse tipo de demanda que Fundação CERTI, de Florianópolis (SC), apostou na tecnologia. A instituição desenvolveu um sistema inédito no Brasil voltado especialmente para os coletores dos testes e para os pacientes que passam pela testagem. O objetivo é tornar o processo de coleta de dados mais ágil – a expectativa é chegar a 5 mil exames registrados em um só dia.
“Nunca tivemos na história dos países uma demanda tão alta de coletas e com essa necessidade de serem feitas em um curto espaço de tempo. As empresas estavam demandando uma solução que viabilizasse os testes em escala e com rastreabilidade”, comenta o diretor de Convergência Digital da CERTI, Maurício Dobes. Assim nasceu o TCBio.
Pelo aplicativo, que pode ser baixado pelos sistemas Android e iOS, os colaboradores fazem um pré-cadastro dos seus dados pessoais. Ao chegar para coletar o exame, o funcionário do laboratório realiza, pelo seu app, a leitura do QR Code do celular usuário e, imediatamente, o associa ao código de barras do tudo do exame.
Atualmente, a coleta dos exames para Covid em um laboratório ou em campo leva cerca de 20 minutos. Com o app, é possível fazer a coleta e liberar o paciente muito rapidamente, com casos de até 1 minuto. “Reduzimos muito a burocracia do processo, o que resultou em um tempo cinco vezes inferior ao modelo tradicional. Sem falar na eliminação do risco de erros de cadastros”, diz o gestor.
Com isso, se torna factível que as informações referentes a realização de 1 mil ou até 5 mil exames em uma grande empresa alimentem rapidamente os sistemas do laboratório. Quando as amostras chegam nos coolers, todos os dados já estão catalogados no sistema, e basta fazer o check-in dos tubinhos. Ao sair o resultado, o sistema já envia um comunicado para o médico da empresa e o paciente.
O uso do sistema oferece segurança no diagnóstico e mantém em sigilo as informações sensíveis dos pacientes de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Além da agilidade, outra vantagem é a rastreabilidade: através do aplicativo, é possível, por exemplo, rastrear a geolocalização e determinar quem teve contato com pessoas contaminadas pela Covid-19 de forma anônima.
O software armazena um histórico de exames e pode ser integrado aos bancos de dados do laboratório, podendo ser usado para coleta de outras amostras de materiais biológicos, além de detectar Covid-19. “Um sistema como esse facilita ações da saúde pública, pois permite que prefeituras e laboratórios criem processos próprios para vacinas e exames epidemiológicos em larga escala, já que qualquer cidadão poderá ter seu próprio QR code. O governo, por exemplo, poderá usufruir do legado desse software para futuras campanhas de saúde”, diz Dobes.
Comentários CORRIGIR TEXTO