Porto Alegre, segunda-feira, 03 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 03 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Digital

- Publicada em 15h41min, 29/07/2020. Atualizada em 17h27min, 03/08/2020.

'Não vamos lançar 5G em hotspot, queremos cobertura contínua', afirma CEO da Claro

Teixeira espera que leilão exija menos sacrifício das operadoras para compra das licenças

Teixeira espera que leilão exija menos sacrifício das operadoras para compra das licenças


CLARO/DIVULGAÇÃO/JC
Passado o sufoco inicial da pandemia, em que as operadoras de telefonia tiveram que correr para atender as novas demandas por uso de internet, mais concentradas nas zonas residenciais, já dá para falar de futuro. E, em se tratando de telecom, isso significa o 5G. Players como Claro e Vivo já anunciaram a oferta das primeiras redes, com a tecnologia 5G DSS, uma espécie de treino enquanto o governo federal não realiza o leilão das frequências, o que permitirá, de fato, um salto na performance nos próximos anos. Com 35 anos de experiência neste mercado, o CEO da Claro, Paulo Cesar Teixeira, responsável pela Unidade de Consumo e PME da operadora, diz que a quinta geração será uma habilitadora de novas possibilidades. "Teremos uma ferramenta poderosa que vai abrir um leque de possibilidades para os negócios e para vivermos de forma diferente do que vivemos hoje”, analisa. Teixeira foi o personagem desta semana da Live do Mentes Transformadoras.
Passado o sufoco inicial da pandemia, em que as operadoras de telefonia tiveram que correr para atender as novas demandas por uso de internet, mais concentradas nas zonas residenciais, já dá para falar de futuro. E, em se tratando de telecom, isso significa o 5G. Players como Claro e Vivo já anunciaram a oferta das primeiras redes, com a tecnologia 5G DSS, uma espécie de treino enquanto o governo federal não realiza o leilão das frequências, o que permitirá, de fato, um salto na performance nos próximos anos. Com 35 anos de experiência neste mercado, o CEO da Claro, Paulo Cesar Teixeira, responsável pela Unidade de Consumo e PME da operadora, diz que a quinta geração será uma habilitadora de novas possibilidades. "Teremos uma ferramenta poderosa que vai abrir um leque de possibilidades para os negócios e para vivermos de forma diferente do que vivemos hoje”, analisa. Teixeira foi o personagem desta semana da Live do Mentes Transformadoras.
Mercado Digital – A infraestrutura de telecom foi desafiada neste período da pandemia. Que mudanças isso trouxe no perfil de tráfego dos usuários?
Paulo Cesar Teixeira – A pandemia trouxe uma questão estrutural importante porque as pessoas foram para as suas casas, o que fez com que a gente tivesse que reconfigurar a rede de banda larga fixa. O tráfego saiu das zonas centrais e a demanda de trabalho, estudo e entretenimento se concentrou nas residências. O crescimento dos acessos foi de 30% a 40%. Foram duas semanas iniciais duras e que exigiram rapidez das nossas equipes de manutenção e habilitação de novos softwares de rede para possibilitar essa mudança geográfica do tráfego. Já no mundo móvel, o tráfego caiu no primeiro momento, porque as pessoas passaram a se conectar mais no Wi-Fi, mas na sequência normalizou e ficou estável. Agora, mais recentemente, com a volta a uma rotina de maior deslocamento, o tráfego móvel por usuário voltou a crescer, e aumentou 20% em relação a antes. Isso aconteceu porque as pessoas adquiriram novos hábitos de consumo, passaram a usar a internet de forma mais intensa para as Lives e reuniões.
Mercado Digital – O mês de julho veio com o anúncio da chegada ao Brasil do 5G DSS. É uma prévia do que teremos com essa tecnologia nos próximos anos?
Teixeira – Existem hoje 46 países no mundo com rede 5G e 87 operadoras, em diferentes estágios. No caso do Brasil, ainda não tivemos a leilão da Banda C, que é a dominante, e preferimos avançar com o 5G DSS, que é solução válida também e está presente nos Estados Unidos e na Europa com operadoras importantes. O DSS compartilha de forma dinâmica o mesmo espectro do 4G. Como o protocolo padrão do 5G é muito mais eficiente, consegue entregar performance melhor do que o 4.5G – uma evolução que houve do 4G. É uma primeira fase e um aprendizado importante porque começamos a entregar já o 5G. É o que é possível ser feito dentro das frequências disponíveis. Pelos testes que realizamos, chegamos a 400 Mb/s e, em situação normal, deve ficar entre 200 Mb/s a 300 Mb/s, que já é a ultravelocidade na palma da mão do usuário.
Mercado Digital – Em que estágio está a estratégia de adoção do 5G DSS pela Claro no Brasil?
Teixeira – A Claro está colocando o Brasil no mapa do 5G. Vínhamos testando o 5G DSS desse outubro de 2019 e estávamos aguardando que tivesse um aparelho de marca reconhecida e com potencial para lançamento comercial. Elegemos duas cidades com cobertura contínua e zonas de alto tráfego. São 12 bairros de São Paulo e nove no Rio de Janeiro de maior densidade de tráfego o Brasil e extensão territorial para lançar o 5G com essa continuidade de serviço.
Mercado Digital – Qual o cronograma de expansão da oferta para outras cidades?
Teixeira – Esse é um segredo guardado a sete chaves. Estamos preparando o planejamento, mas vamos revelando à medida que formos lançar. Mas, uma diferença que saliento é que não vamos lançar configuração hotspot, como já vimos outras operadoras fazendo, ou seja, pequenas coberturas em determinados bairros. Vamos lançar uma cobertura contínua para o cliente ter uma experiência efetiva em toda zona de abrangência e aderente ao produto que estamos vendendo. Cobertura hotspot é ping pong, ou seja, você entra e sai da rede e não tem experiência nenhuma. Além disso, vamos começar com esse modelo premium de aparelho, mas logo em seguida teremos ofertas os intermediários. Claramente, há um processo que se inicia agora e que terá um horizonte de 10 anos de evolução para atingirmos esse grande potencial do 5G. Esse passo é muito consistente para dar experiência e disponibilizar para cada vez mais camadas da população
Mercado Digital – Como o 5G vai transformar a nossa vida quando essas redes estiverem à pleno?
Teixeira – O potencial é enorme. O 5G vai mudar a sociedade como conhecemos, tanto do ponto de vista dos negócios como dos hábitos do dia a dia. Estamos falando de quatro grandes atributos que o 5G vai trazer que são velocidades muito altas, capacidade alta de concentração de tráfego, latências curtas (tempo de resposta para um pacote de dados ir de um ponto designado para o outro) e alta confiabilidade. Teremos uma ferramenta poderosa que vai abrir um leque de possibilidades para os negócios e para vivermos de forma diferente do que vivemos hoje.
Mercado Digital – Que novos negócios poderão ser habilitados no futuro?
Teixeira – A quinta geração vai viabilizar aplicações como telemedicina, carros autônomos e a Indústria 4.0. Já vimos operações em ambientes industriais com de robôs se movimentando rapidamente transportando mercadorias, de forma coordenada e intensa, comandados por redes 5G. Isso muito em função da baixa taxa da latência, um característica da quinta geração. Hoje, uma rede com boa taxa de resposta, tem uma latência de 40 milissegundos, mas com o 5G chegaremos a 1 milissegundo. A tecnologia é uma habilitadora das novas possibilidades. O Uber não existiria se não tivesse 4G. Novos negócios foram criados a partir da infraestrutura de rede e, com o 5G, teremos uma mudança de patamar.
Mercado Digital – Como o leilão da Banda C será determinante para esse salto de qualidade?
Teixeira – De fato, a grande evolução vai ocorrer quando houver o leilão. Serão leiloadas várias frequências, mas as chaves são as da Banda C com largura de 100 mega, o que nos permitirá alcançar velocidades acima de 1 Gb/s – se fala em 10 Gb/s – e latência de 1 milisegundo. Mas, é muito importante que o leilão venha de forma mais amigável, ou seja, que exija menos sacrifício de investimento das empresas para a compra das frequências, e que, assim, possamos investir isso em rede, o que reduzirá os prazos.
Mercado Digital – O adiamento do leilão para 2021 atrasa o Brasil na implantação?
Teixeira - O Brasil está no tempo correto. O leilão estava previsto para esse ano, mas veio a pandemia e não tinha ambiente e nem economia que permitia fazer um leilão no meio de uma crise. Além disso, precisamos terminar testes de interferências na Banda C com TVRO (sistema de televisão com recepção por satélite). A nossa expectativa é que o leilão ocorra no primeiro semestre, e as redes cheguem no segundo semestre.
Mercado Digital – Estamos falando do futuro, mas algumas pessoas ainda sofrem com a falta do 4G no Brasil. Por que isso acontece no Brasil?
Teixeira – O grande desafio do Brasil é a velocidade de aprovação da colocação de novas antenas. O País tem uma lógica de muitas leis municipais desatualizadas, que não dão velocidade de implantação. O 5G, inclusive, só vai funcionar plenamente se for possível colocar mais antenas.
Comentários CORRIGIR TEXTO