Porto Alegre, sexta-feira, 24 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 24 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado digital

- Publicada em 19h22min, 16/07/2020. Atualizada em 16h50min, 24/07/2020.

Lovin, primeira startup de vinhos do Brasil, chega ao mercado com venda 100% on-line

Bebida será vendida em lata e nas versões branco e rosé

Bebida será vendida em lata e nas versões branco e rosé


Lovin/Divulgação/JC
A Lovin, primeira startup de vinhos do Brasil, chega ao mercado oficialmente nesta sexta-feira com a missão de provocar uma disrupção no modelo tradicional de consumo de vinho. A primeira delas é quebrar alguns rituais estabelecidos ao longo dos anos. Prova disso é que a bebida será vendida em lata, tendência que explodiu recentemente nos Estados Unidos.
A Lovin, primeira startup de vinhos do Brasil, chega ao mercado oficialmente nesta sexta-feira com a missão de provocar uma disrupção no modelo tradicional de consumo de vinho. A primeira delas é quebrar alguns rituais estabelecidos ao longo dos anos. Prova disso é que a bebida será vendida em lata, tendência que explodiu recentemente nos Estados Unidos.
“O consumo do vinho sempre esteve muito atrelado a protocolos, e queremos romper isso. As pessoas podem beber em taça, na lata ou no copo, com ou sem gelo, como elas preferirem”, comenta o co-fundador da startup Eduardo Glitz. O gaúcho tem uma bagagem de empreendimentos inovadores. É um dos sócios-fundadores da StartSe e da Yuool, primeiro calçado feito com a lã nobre de Merino, uma espécie de ovelha muito comum na Nova Zelândia.
O Lovin chega em duas versões, branco e rosé e traz o conceito with bubbles, leve e ideal para ser consumido bem gelado. “A nossa oferta é de um vinho premium, com bolhas naturais, 100% brasileiro e ideal para ser apreciado ao chegar em casa depois de um dia de trabalho, na piscina ou na praia”, explica o cofundador e CEO da operação, João Paulo Sattamini. Ele também está à frente da Organique, primeiro energético orgânico do mundo com ingredientes brasileiros exportado para 12 países. 
Outro diferencial da Lovin é que toda estratégia foi pensada para ser on-line. “Usamos as melhores práticas do Vale do Silício e aplicamos no vinho”, destaca Sattamini. A startup é uma legítima Digitally Native Vertical Brand (DNVB), sigla em inglês que significa empresas que nascem digitais e verticalizam seus processos desde a produção até a entrega do produto ao cliente final. “Terceirizamos uma fábrica e temos controle sobre todas as etapas do processo, o que vai nos ajudar a crescer rapidamente”, aposta Glitz. Ao lado deles neste projeto está ainda Daniel Skrowonsky.
Já existem algumas iniciativas de venda de vinho em lata, mas, segundo ele, ainda são tímidas e com distribuição em supermercados. “Somos uma empresa digital e estamos apostando muito na tecnologia para escalar nesse mercado de vinhos, que ainda tem baixa penetração no Brasil, mas neste período de pandemia está crescendo cerca de 30%”, analisa Glitz.
O valor do pack com quatro latas é de R$ 79,60. Apesar de o foco ser a venda on-line, o Lovin estará em alguns restaurantes de Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro.
Comentários CORRIGIR TEXTO