Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

29/06/2020 - 17h00min. Alterada em 29/06 às 17h00min

Soluções digitais devem ser à prova de violência doméstica, diz IBM

Rua diz que abuso facilitado pela tecnologia é uma questão desafiadora

Rua diz que abuso facilitado pela tecnologia é uma questão desafiadora


IBM/DIVULGAÇÃO/JC
As mesmas tecnologias que protegem e enriquecem a nossa experiência, estão sendo manipuladas por abusadores para exercer controle sobre suas vítimas. O alerta é da IBM, que aponta que esse armamento de tecnologia é frequentemente usado no abuso doméstico, especialmente o controle coercitivo – um padrão de controle de comportamento que visa causar medo e submissão na vítima.
As mesmas tecnologias que protegem e enriquecem a nossa experiência, estão sendo manipuladas por abusadores para exercer controle sobre suas vítimas. O alerta é da IBM, que aponta que esse armamento de tecnologia é frequentemente usado no abuso doméstico, especialmente o controle coercitivo – um padrão de controle de comportamento que visa causar medo e submissão na vítima.
De forma a apoiar iniciativas quer visem coibir esse tipo de prática, a IBM lançou um documento em que propõe cinco princípios fundamentais de design que podem ser seguidos pelos desenvolvedores de tecnologia para fazer produtos resistentes a qualquer tipo de controle coercitivo. Para a empresa, o abuso facilitado pela tecnologia é uma questão desafiadora, e não há uma solução simples para eliminá-la. Entretanto, ao tomar decisões sutis é possível projetar a tecnologia para ser resistente ao abuso. “Casos de violência doméstica digital podem ser coibidos e até evitados com o uso de tecnologia”, comenta o diretor de Relações Governamentais e Assuntos Regulatórios da IBM América Latina, Fabio Rua.
Segundo ele, para isso ser possível, é preciso cuidados desde no desenvolvimento dos produtos, para que privilegiem a segurança, a experiência do usuário e os mais altos padrões de privacidade, até as funcionalidades do equipamento ou software. “Neste caso, eles devem considerar, por exemplo, teclas e atalhos que facilitem a troca de senhas e eduquem os usuários a se protegerem contra manipulações e controle de terceiros”, acrescenta.
O estado de São Paulo, o mais atingido pela pandemia da Covid-19 e que impôs medidas de isolamento abrangentes, registrou um aumento de 45% nos casos de violência contra mulheres nos quais a polícia foi acionada no mês passado na comparação com o ano anterior. Os dados são do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.
Rua afirma que este não é um assunto novo na pauta dos desenvolvedores. Mas, os cuidados precisam ser intensificados. “Com a ampliação dos debates sobre proteção de dados, a preocupação com o desenho de tecnologias também à prova de violência doméstica só faz aumentar. E foi justamente para ajudar os tecnólogos a evitar que suas criações facilitem abusos desta natureza resolvemos compartilhar publicamente os princípios que já adotamos na construção de soluções resistentes a controles coercitivos”, relata o executivo.
Dicas para o desenvolvimento de produtos
1. Promoção da diversidade: ter uma equipe de desenvolvedores diversificada amplia o entendimento dos hábitos do usuário, permitindo uma maior exploração dos casos de uso, tanto os positivos quanto os negativos.
2. Garantia de privacidade e escolha: os usuários precisam ser capazes de tomar decisões sobre suas configurações de privacidade de maneira clara. Pequenos botões vermelhos ou frases como “configurações avançadas” podem intimidar os usuários, levando-os a optar pelas configurações padrão sem entender as consequências dessa escolha. As configurações precisam ser simples de entender e fáceis de configurar, e o texto não deve tentar influenciar o usuário.
3. Combate ao gaslighting: o gaslighting ocorre quando alguém manipula psicologicamente uma pessoa de modo a fazê-la duvidar de suas próprias memórias e julgamento. Se um usuário pode remover todos os registros de uma ação em curso, ou se nunca houve qualquer evidência de que aquilo existiu, isto pode levar alguém a começar a questionar sua própria memória. Notificações oportunas e pertinentes, assim como auditorias são essenciais para tornar óbvio quem fez o quê e quando. A tecnologia precisa ser transparente sobre onde as mudanças foram feitas e quando a funcionalidade remota é acionad.
4. Reforço da segurança e dados: é importante que os produtos sejam seguros, coletando e compartilhando apenas os dados necessários, limitando assim o risco de que sejam utilizados de forma maliciosa. É comum que muitos dispositivos/soluções domésticos sejam gerenciados por um único usuário, mesmo que sejam utilizados por muitos membros da família.
5. Promoção de uma tecnologia mais intuitiva: as vítimas do controle coercitivo vivem em mundos complexos e em constante mudança e podem não ter a energia ou conhecimento necessários para navegar em novas tecnologias. Se todas as tecnologias que chegam aos usuários finais fossem intuitivas de usar e entender, seria menor o risco de abusadores utilizarem sua maior confiança técnica como recurso de dominação.
Fonte: IBM
 
Comentários CORRIGIR TEXTO