Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de maio de 2020.
Dia do Cartógrafo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 06 de maio de 2020.
06/05/2020 - 16h14min.
Alterada em 06/05 às 16h14min
COMENTAR | CORRIGIR

Jaci, robô de desinfecção, auxilia no combate à pandemia

Instor está instalada no Tecnopuc, em Viamão, e tem larga experiência na área de robótica

Instor está instalada no Tecnopuc, em Viamão, e tem larga experiência na área de robótica


INSTOR/DIVULGAÇÃO/JC
Atende pelo nome de Jaci um robô de desinfecção 100% nacional desenvolvido pela Instor para garantir a alta performance na desinfecção de ambientes fechados, como uma sala de UTI, que possam estar contaminados por vírus e bactérias.
Atende pelo nome de Jaci um robô de desinfecção 100% nacional desenvolvido pela Instor para garantir a alta performance na desinfecção de ambientes fechados, como uma sala de UTI, que possam estar contaminados por vírus e bactérias.
Como? Por meio de um sistema de ventilação que gera ozônio de forma controlada e irradia raios ultravioleta (UV) por meio de potentes emissores, capazes de atingir distâncias de até 3,5m. “O robô é capaz de eliminar mais do 90% dos vírus e bactérias presentes nos ambientes, o que o torna essencial na eliminação e controle de propagação infecciosa durante epidemias ou pandemias como a Covid-19”, aponta o CEO da empresa, Miguel Serrano.
A Instor está instalada no Parque Científico e Tecnológico (Tecnopuc) em Viamão e tem larga experiência na área de robótica, desenvolvendo soluções para os segmentos de petróleo e gás e mineração – a Vale é uma das clientes. Assim que o mundo foi assolado pelo coronavírus, a decisão foi de usar esse conhecimento para ajudar.
“Foi uma correria. Começamos o desenvolvimento da Jaci em fevereiro e agora já estamos produzindo a primeira unidade, que deverá estar pronta em duas semanas”, conta. O produto será enviado para a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), que realizará alguns testes para comparar o robô com outros métodos e avaliar a eficácia e em que situações usar. A segunda unidade será disponibilizada para testes e um centro de reciclagem de Viamão. A meta é começar em breve a produção em massa.
Serrano que foram avaliados diversos robôs de desinfecção similares pelo mundo, como os usados na Dinamarca, China e Estados Unidos. Desde o início, a decisão foi a de não fazer uma simples cópia, mas inovar – tanto deu certo que a Instor já solicitou patente para a Jaci. “Focamos na criatividade. O nosso robô é o único que combina o UV com o ozônio. A maioria usa apenas UV”, explica.
Segundo, o uso de UV na área de saúde para matar bactérias e vírus é clinicamente comprovado através de estudos e testes já realizados em laboratórios do mundo todo. A capacidade é de erradicar 99,99% dos microrganismos incluindo bactérias, vírus e patógenos em um raio de 3,5 metros em 20 minutos de forma estática. O UV germicida (254nm UVC) é capaz de matar e inativar micro organismos destruindo ácidos nucleicos e perturbando o DNA ou RNA, deixando-os incapazes de se replicar e recuperar.
Já o ozônio pode matar diversos micro-organismos como bactérias, vírus e fungos. Isso ocorre devido ao seu alto poder oxidante. O mecanismo de ação do ozônio contra bactérias e fungos, por exemplo, ocorre de fora para dentro. O ozônio destrói a parede celular desses micro-organismos, via reações químicas de oxidação, até penetrar ao interior do micro-organismo danificando também agentes vitais para sua vida.
A Jaci é versátil a ponto de, dependendo da situação, acionar apenas o ozônio, e sempre em proporções admissíveis para a saúde. Isso porque, a luz UV é perigosa se direcionada diretamente para os humanos. “Os robôs usados em outros países só podem desinfetar ambientes sem a presença de pessoas. Já o nosso pode ser utilizado mesmo em salas como uma UTI, pois nesses casos ele aciona apenas o ozônio”, relata. Outra opção é ligar apenas as luminárias UV que estão apontadas para o piso, para irem desinfetando o chão, sem risco de afetar os indivíduos.
Além de hospitais, o robô pode ser usado em aeroportos, aviões, ônibus, rodoviárias, escritórios, indústrias, shoppings, centros comerciais, escolas e universidades. O acionamento e o comando são feitos remotamente, via aplicativo. O sistema possui detectores de movimento para prevenir exposição acidental de pessoas no ambiente. Quando a Jaci opera, alertas sonoros e luminosos são ligados, como forma de manter a segurança.
O nome Jaci é inspirado na Deusa Lua dos tupi-guaranis, que cuidava deles com sua luz a noite.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Patrícia Knebel
Patrícia Knebel
Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.