Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

28/01/2020 - 18h15min.
Alterada em 28/01 às 21h45min
COMENTAR | CORRIGIR

Delivery Center recebe aporte de R$ 69 milhões de brMalls e Multiplan

Saulo Brazil é co-CEO da Delivery Center, responsável pela execução do plano de expansão

Saulo Brazil é co-CEO da Delivery Center, responsável pela execução do plano de expansão


DELIVERY CENTER/DIVULGAÇÃO/JC
O ano começou acelerado para a Delivery Center, operação de centrais de entrega alocadas dentro de shoppings e centros comerciais. A empresa acaba de receber um novo aporte de R$ 69 milhões das administradoras de shoppings brMalls e Multiplan. Os recursos já estão disponíveis e serão liberados ao longo dos trimestres.
O ano começou acelerado para a Delivery Center, operação de centrais de entrega alocadas dentro de shoppings e centros comerciais. A empresa acaba de receber um novo aporte de R$ 69 milhões das administradoras de shoppings brMalls e Multiplan. Os recursos já estão disponíveis e serão liberados ao longo dos trimestres.
O foco é investir no plano de expansão que prevê a inauguração de 200 unidades de entregas nos principais centros urbanos do Brasil até 2021. Para esse ano, serão de 40 a 60 unidades, especialmente na grande Curitiba e Belo Horizonte, regiões onde a empresa ainda não atuava, além de dobrar de tamanho nas cidades que a startup já está presente.
Até o momento, são 24 centrais de entregas distribuídas por São Paulo (11), Rio de Janeiro (10) e Porto Alegre (3). Juntas, geram um incremento médio de 17% nas vendas nas praças de alimentação e de 1,5% nas vendas como um todo dos shoppings onde atua. O objetivo é ajudar os estabelecimentos plugados na Delivery Center a atingirem um faturamento de US$ 1 bilhão por ano.
“Um aporte deste montante reforça a crença do varejo e dos shoppings na nossa tese, que é criar um ecossistema que conecte os lojistas físicos a todos os marketplaces do mercado”, comemora o co-CEO da Delivery Center, responsável pela execução do plano de expansão da startup, Saulo Brazil. O fundador Andreas Blazoudakis permanece como CEO, agora focado em inovação e estratégia.
No time de sócios desde 2018 e 2019, respectivamente, a brMalls e Multiplan acompanham de perto o trabalho e os resultados gerados pela startup. “Esse movimento reforça a estratégia de On-line to Off-line (O2O) da brMalls, que está buscando, cada vez mais, conectar o varejo físico ao online provendo novos canais de venda para seus lojistas”, avalia Vicente Avellar, diretor Executivo de Operações da brMalls. Também têm participação no negócio a Cyrela Commercial Properties (CCP), o grupo de restaurantes Trigo, Bloomin Brands, entre outras marcas.
Além da expansão física, Brazil comenta que a meta é usar esses recursos para investir em tecnologia, cujo time está baseado em Curitiba. “Vamos triplicar a equipe com foco em incrementar a nossa arquitetura de negócios para que os lojistas possam se plugar em vários marketplaces de comidas e não comidas e, assim, alavancar suas vendas”, explica.
As centrais da Delivery Center estão localizadas dentro dos shoppings ou em seus estacionamentos e mantêm uma equipe de pessoas que recebem os pedidos de consumidores, coletam os itens junto aos lojistas e fazem a entrega via motoboys.
A empresa atua como uma integradora. Ao invés de os lojistas investirem na construção da sua própria plataforma de entrega de produtos, eles passam a usar a arquitetura da startup. Assim, os seus clientes passam a ter uma vasta opção de canais compras, desde o aplicativo DTudo, da Delivery, passando por players tradicionais do mercado, como Rappi, iFood e Uber Eats, entre outros. No caso das não comidas, é possível fazer os pedidos pelo site das marcas, Mercado Livre, entre outros.
“A mercado terá cada vez mais competidores buscando vencer nesse ambiente de super aplicativos e marketplaces. A nossa estratégia de integrar canais e marketplaces se mostra acertada e necessária. Não vamos brigar com o mercado, seremos agregadores”, diz o executivo.
Aliás, apesar de ter começado a sua atuação no segmento de entrega de comidas, a visão da empresa é dar a mesma velocidade e competitividade que tem no delivery de comida para o de não comida. “A ideia é entregar um tênis ou perfume com o mesmo preço da taxa e rapidez que se faz com o delivery de um hambúrguer”, complementa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Patrícia Knebel
Patrícia Knebel
Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.