Porto Alegre, sexta-feira, 24 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 24 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

- Publicada em 14h48min, 14/11/2019. Atualizada em 14h48min, 14/11/2019.

FURG investe R$ 13 milhões em dois centros de inovação

Inauguração está prevista para acontecer no primeiro semestre de 2020

Inauguração está prevista para acontecer no primeiro semestre de 2020


FURG/Divulgação/JC
Os projetos de pesquisa e desenvolvimento de soluções de robótica subaquática, ciências de dados e biotecnologia marinha vão ganhar um reforço e tanto no Rio Grande do Sul a partir do primeiro semestre de 2020. Isso porque, já estão em fase final as obras físicas dos dois centros de inovação que estão sendo construídos pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG).
Os projetos de pesquisa e desenvolvimento de soluções de robótica subaquática, ciências de dados e biotecnologia marinha vão ganhar um reforço e tanto no Rio Grande do Sul a partir do primeiro semestre de 2020. Isso porque, já estão em fase final as obras físicas dos dois centros de inovação que estão sendo construídos pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG).
O prédio fica em uma área de cinco hectares do Parque Tecnológico, o Oceantec. Os investimentos em infraestrutura e equipamentos são de R$ 13 milhões, maior parte deles resultantes de um aporte da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), e parte da prefeitura municipal do Rio Grande e do Ministério da Educação (MEC).
“Vamos trabalhar com projetos que estão alinhados com as áreas que a FURG já tem realizado pesquisas de pós-graduação e desenvolvido soluções em parceira com as empresas”, explica o vice-reitor da FURG Danilo Giroldo.
O iTEC será dedicado à ciência de dados, automação e robótica. Uma das atrações será um tanque cilíndrico todo instrumentado para o trabalho com robótica subaquática. “Esse sistema vai auxiliar na inspeção e reparos de todas as estruturas que estiverem embaixo d´ água, como navios, além da mineração subaquática, especialmente com operações mais perigosas os seres humanos”, destaca. Já o Centro de Inovação em Biotecnologia Marinha terá como foco aplicações biotecnológicas para energias alternativas, qualidade ambiental, aquicultura e agregação de valor em alimentos no segundo.
Os dois novos centros de inovação vão turbinar a operação do Oceantec, que está operando com um prédio há cerca de 12 meses. Lá já estão instaladas quatro empresas, uma incubadora de empresas, o co-working e o simulador de manobras navais do APL Marítimo do Estado.
“Esses espaços foram idealizados para envolver os alunos e professores em problemas concretos da sociedade. Esperamos que novas empresas sejam criadas, pré-incubadas e incubadas para que efetivamente se construa uma matriz produtiva no território baseada no conhecimento e na inovação”, acrescenta Giroldo.
Comentários CORRIGIR TEXTO