Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 01 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

01/11/2019 - 16h14min.
Alterada em 01/11 às 18h29min
COMENTAR | CORRIGIR

Estamos preparados para a chegada das smart cities?

Modernização da rede de energia é um dos aspectos das cidades do futuro

Modernização da rede de energia é um dos aspectos das cidades do futuro


IEEE/DIVULGAÇÃO/JC
Semáforos inteligentes acionados remotamente para liberar a passagem de ambulâncias, postes de iluminação com sensores de presença e serviços adicionais como Wi-Fi e prédios automatizados são alguns dos exemplos já práticos de como os projetos de cidades inteligentes avançam no mundo e no Brasil. Mas será que estamos preparados para isso tudo? Especialistas do IEEE, a maior organização profissional do mundo dedicada ao avanço da tecnologia em benefício da humanidade, alertam que a implantação desses sistemas inteligentes deve levar, inevitavelmente, a problemas de cibersegurança, como privacidade e ameaças a dados pessoais, e questões éticas, que precisam ser considerados. Eles participaram, ontem, de um painel no Futurecom, em São Paulo.
Semáforos inteligentes acionados remotamente para liberar a passagem de ambulâncias, postes de iluminação com sensores de presença e serviços adicionais como Wi-Fi e prédios automatizados são alguns dos exemplos já práticos de como os projetos de cidades inteligentes avançam no mundo e no Brasil. Mas será que estamos preparados para isso tudo? Especialistas do IEEE, a maior organização profissional do mundo dedicada ao avanço da tecnologia em benefício da humanidade, alertam que a implantação desses sistemas inteligentes deve levar, inevitavelmente, a problemas de cibersegurança, como privacidade e ameaças a dados pessoais, e questões éticas, que precisam ser considerados. Eles participaram, ontem, de um painel no Futurecom, em São Paulo.
"A tecnologia tem que ajudar a melhorar a qualidade de vida, o desenvolvimento sustentável e os serviços urbanos", defende o professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e especialista do IEEE, Paulo Miyagi.
De fato, há uma grande revolução acontecendo. As populações estão constantemente migrando para as cidades, o que aumenta o desafio da convivência de um grande número de pessoas nos centros urbanos. Um dos aspectos das smart cities é a modernização das redes de energia, que devem ser mais automatizadas e alinhadas com matrizes sustentáveis como a solar e a eólica. Sem falar na eletricidade ocupando alguns novos espaços, como é o caso dos veículos elétricos. "Tudo isso será controlado por sistemas automáticos que operam por sensores, e que levam a uma preocupação com a segurança. A invasão a um desses sistema é potencialmente perigosa e danosa", alerta Cyro Boccuzzi, presidente do Fórum Latino-Americano de Smart Grid e especialista do IEEE.
Além da cibersegurança, outro aspecto relevante é a ética aplicada à tecnologia. "Quando ouço falar de smart cities, fico pensando em como todos esses dados dos cidadãos que são coletados estão sendo usados", questiona o professor da Ufrgs e especialista do IEEE, Edson Prestes. Segundo ele, as pessoas precisam estar atentas para as novas ameaças. Um exemplo foi o que aconteceu nos Estados Unidos, quando as funcionalidades de uma casa inteligente foram usadas para abuso doméstico. O marido acessava remotamente o sistema para aumentar a temperatura e emitir sons muito altos, com a sua esposa dentro. Parece ficção, mas não foi. "Essa foi uma situação real de uso da tecnologia para agressão psicológica", reforça Prestes.
Dentro desse contexto das cidades inteligentes, outro risco é o da geração de viés das informações que são coletadas das pessoas. É comum companhias, como de seguro saúde ou concessão de crédito, usarem dados de uma média da sociedade para fazer uma avaliação individual. "Há alguns anos, teve o caso de uma empresa de cartão que estava reduzindo o crédito de pessoas com base em onde elas faziam compras. Isso é um exemplo de uma arbitrariedade do sistema", critica.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Patrícia Knebel
Patrícia Knebel
Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.